Pensamento estratégico nas organizações Outros Idiomas

ID:
32170
Resumo:
Este trabalho busca analisar uma nova forma de pensar as estratégias organizacionais, através de uma discussão teórica sobre o termo “pensamento estratégico”, e o seu desenvolvimento nas organizações. Para isso, realizou-se uma pesquisa bibliográfica, com o intento de aprofundar o tema e alcançar um embasamento conceitual, o qual pode subsidiar análises posteriores. Dentre os resultados da pesquisa, destaca-se que as características pragmáticas do planejamento estratégico parecem não ter mais espaço no atual mundo organizacional, esta ferramenta precisa estar interligada ao processo de pensamento estratégico para trazer resultados mais efetivos. Neste sentido, o desafio se apresenta em como as organizações podem desenvolver um planejamento estratégico que incentive o pensamento estratégico ao invés de miná-lo, assim como o desenvolvimento de ferramentas que fomentem a capacidade de pensar estrategicamente em funcionários de todos os níveis hierárquicos.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
KICH, J. I. F.; PEREIRA, M. F. Pensamento estratégico nas organizações. Revista de Ciências da Administração, v. 16, n. 39, p. 134-145, 2014.
Citação APA:
Kich, J. I. F., & Pereira, M. F. (2014). Pensamento estratégico nas organizações. Revista de Ciências da Administração, 16(39), 134-145.
DOI:
10.5007/2175-8077.2014v16n39p134
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/32170/pensamento-estrategico-nas-organizacoes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACKOFF, R. L. Planejamento Empresarial. Rio de Janeiro: LTC – Livros técnicos e Científicos Editora, 1982.

AMOROSO, R. Lidando com o pensamento estratégico. In: COSTA, B. K.; ALMEIDA, M. I. R. (Coord). Estratégia: perspectivas e aplicações. São Paulo: Atlas, p. 31-52, 2002.

BELMIRO, J. Estratégias Emergentes. CAVALCANTI, M. (Org.). In: Gestão Estratégica de Negócios: evolução, cenários, diagnóstico e ação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003. p. 289-319.

BOON, I. Developing strategic thinking as a core competency. Management Decision, v. 39, n.1, p. 63 – 71, 2001.

BOSSIDY, L. A receita da execução. HSM Management, v. 4, n. 51, Ano 9, p. 40-44, jul.-ago. 2005.

BOSSIDY, L., CHARAN, R. Desafio: fazer acontecer, a disciplina de execução nos negócios. 3. ed. Rio de Janeiro: Negócio, 2002.

FAIRHOM, M. R.; CARD, M. Perspectives of strategic thinking: from controlling chaos to embrancing it. Journal of Managemente & Organization, v. 15, n. 1, p. 1730, mar. 2009.

GIL, Antônio Carlos. Pesquisa social. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

GOLDMAN, E.; CAHILL, T.; FILHO, R. P. Experiences that Develop the Ability to Think Strategically. Journal Of Healthcare Management, v. 54, n. 6, p. 403-417, nov.-dec. 2009.

GOLDMAN, E. F. Leadership practices that encourage strategic thinking. Journal of Strategy and Management, v. 5, n. 1, p. 25-40, 2012.

GRAETZ, F. Strategic thinking versus strategic planning: towards understanding the complementarities. Management Decision, v. 31, n. 5, p. 456-462, 2002.

HALL, R. H. Organizações: estrutura e processos. 3. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, 1984.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. 15. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

HERACLEOUS, L. Strategic thinking or strategic planning. Long Range Planning, v. 31, n. 3, p. 481487, 1998.

HREBINIAK, L. G. Fazendo a estratégia funcionar: o caminho para uma execução bem-sucedida. Rio Grande do Sul: Bookman, 2006.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Strategic Learning & Balanced Scorecard, Strategy & Leadership, p. 18-24, set.-out. 1996b.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. The Balanced Scorecard Measures that Drive Performance, Harvard Business Review, p. 71-79, jan.-fev. 1992.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Using the Balanced Scorecard as a strategic Management System, Harvard Business Review, p. 75-85, jan.-fev. 1996a.

KICH, J. I. F.; PEREIRA, M. F. Planejamento Estratégico: os pressupostos básicos para uma implantação eficaz. São Paulo: Atlas, 2011.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

LAWRENCE, E. Strategic Thinking: a discussion paper. Canada: Public Service Comission of Canada, 27, april. 1999.

LIEDTKA, J. Strategic thinking; can it be taught?, Long Range Planning, v. 31, n. 1, p. 120-129, 1998.

MAXWEEL, J. W. Recognizing and Releasing Your Power of Strategic Thinking. weLEAD Online Magazine, Oct, 2010. Disponível em: . Acesso em: 1º jun. 2012.

MINTZBERG , H. Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2004.

MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes:estruturas em cinco configurações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MINTZBERG, H. Managing: desvendando o dia a dia da gestão. Porto Alegre: Bookman, 2010.

O’SHANNASSY, T. Strategic Thinking: a continuum of views and conceptualisation. RMIT Business, p. 24-30, 1999.

PRAHALAD, C. K.; FAHEY, L.; RANDALL, R. M. Estratégias para o crescimento: o papel das competências essenciais na corporação. In: FAHEY, L.; RANDALL, R. M. MBA: curso prático – estratégia. Rio de Janeiro: Campus, p.272-293, 1999.

SALAZAR, J. N. A. Pensamento Estratégico e Cenários. In: CAVALCANTI, M. (Org.); Gestão Estratégica de Negócios: evolução, cenários, diagnóstico e ação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p. 123 -172, 2003.

SENGE, Peter. A quinta disciplina. São Paulo: Best Seller, 2006.

SOUZA, M. G. P.; RODRIGUES, L. M . P. L. O Balanced Scorecard: um instrumento de gestão estratégica para o século XXI. Porto: Editora Rei dos Livros, 2002.

TAVAKOLI, I.; LAWTON, J. Strategic thinking and knowledge management. Handbook of Business Strategy, v. 6, n. 1, p. 155-160, 2005.

WILSON, I. Strategic Planning Isn’t Dead – It Changed. Long Range Planning, v. 27, n. 4, p. 12-24, 1994