Intangible assets and superior and sustained performance of innovative Brazilian firms Outros Idiomas

ID:
32536
Resumo:
According to the Resource-Based View, the nature of the resources, competences and knowledge accumulated by firms are the major causes of variation in business performance. In view of the importance attributed to intangible assets, the purpose of the present study was to investigate whether innovative firms with superior and sustained performance and firms without superior and sustained performance differ with regard to investments in intangible assets. The sample consisted of 137 firms listed on the Brazilian stock exchange from 2007 to 2010 and belonging to innovative sectors according to the Brazilian Innovation Index. Only 51 firms with profitability above the sector average during the entire study period (four years) met the criterion of superior and sustained performance. Thus, using return on assets as a proxy for performance, investments in intangibles were found to be greater in firms without superior and sustained performance, particularly with regard to the categories intellectual property assets (the predominant category) and infrastructure assets. Based on the lack of evidence for a significant correlation between corporate performance and investment in intangible assets, our initial hypothesis that a positive relation exists between the composition of investments in intangible assets and the performance of innovative firms could not be confirmed.
Citação ABNT:
LUCA, M. M. M.; MAIA, A. B. G. R.; CARDOSO, V. I. C.; VASCONCELOS, A. C.; CUNHA, J. V. A. Intangible assets and superior and sustained performance of innovative Brazilian firms. Brazilian Administration Review, v. 11, n. 4, p. 407-440, 2014.
Citação APA:
Luca, M. M. M., Maia, A. B. G. R., Cardoso, V. I. C., Vasconcelos, A. C., & Cunha, J. V. A. (2014). Intangible assets and superior and sustained performance of innovative Brazilian firms. Brazilian Administration Review, 11(4), 407-440.
DOI:
10.1590/1807-7692bar2014130012
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/32536/intangible-assets-and-superior-and-sustained-performance-of-innovative-brazilian-firms/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Almeida, M. A., & Santos, J. F. dos (2008). Relação entre variáveis endógenas e a qualidade das práticas de governança corporativa das empresas brasileiras de capital aberto não listadas em bolsa. Revista de Informação Contábil, 2(4), 17-37.

Antunes, M. T. P. (2005). O capital intelectual segundo o entendimento de gestores de empresas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 7(19), 9-20. doi: 10.7819/rbgn.v7i19.46

Antunes, M. T. P. (2006). A controladoria e o capital intelectual: um estudo empírico sobre sua gestão. Revista Contabilidade & Finanças, 17(41), 21-37. doi: 10.1590/S1519-70772006000200003

Antunes, M. T. P., & Leite, R. S. (2008). Divulgação de informações sobre ativos intangíveis e sua utilidade para analistas de investimentos. Revista Universo Contábil, 4(4), 22-38. doi: 10.1590/S1678-69712010000500005

Assaf, A., Neto (2009). Finanças corporativas e valor (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120. doi: 10.1177/014920639101700108

Barney, J. B., & Hesterly, W. S. (2007). Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Basso, L. F. C., & Kimura, H. (2010). O conceito de risco na visão baseada em recursos (RBV): uma análise exploratória. Revista de Administração Mackenzie, 11(5), 82-105. doi: 10.1590/S1678-69712010000500005

Besanko, D., Dranove, D., Shanley, M., & Schaefer, S. (2006). A economia da estratégia. Porto Alegre: Bookman.

Bollen, L., Vergauwen, P., & Schnieders, S. (2005). Linking intellectual capital and intellectual property to company performance. Management Decision, 43(9), 1161-1185. doi: 10.1108/00251740510626254

Bomfim, P. R. C. M., Almeida, R. S. de, Gouveia, V. A. L., Macedo, M. A. da S., & Marques, J. A. V. da C. (2011). Utilização de análise multivariada na avaliação do desempenho econômico financeiro de curto prazo: uma aplicação no setor de distribuição de energia elétrica. Revista ADM. MADE, 15(1), 75-92.

Bortoluzzi, S. C., Lyrio, M. V. L., & Ensslin, L. (2008, novembro). Avaliação de desempenho econômico-financeiro: uma proposta de integração de indicadores contábeis tradicionais por meio da metodologia multicritério de apoio à decisão construtivista. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Curitiba, PR, Brasil, 15.

Bou, J. C., & Satorra, A. (2007). The persistence of abnormal returns at industry and firm levels: evidence from Spain. Strategic Management Journal, 28(7), 707-722. doi: 10.1002/smj.586

Brito, L. A. L., & Vasconcelos, F. C. (2004). Performance of Brazilian companies: year effects, line of business and individual firms. Brazilian Administration Review, 1(1), 1-15. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/bar/v1n1/v1n1a02.pdf. doi: 10.1590/S1807-76922004000100002

Brooking, A. (1996). Intellectual capital: core asset for the third millennium enterprise. Boston, USA: Thomson Publishing Inc.

Brozen, Y. (1971). Bain’s concentration and rates of return revisited. Journal of Law and Economics, 14(2), 351-369.

Camargo, E. G. (2008). Sistema da qualidade, inovação tecnológica e competitividade nas indústrias eletrônicas e de software de Curitiba e Região Metropolitana (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Administração – Doutorado e Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Retrieved from http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/18544/DISSERTACAO.pdf?sequence=1

Carneiro, J. M. T., Silva, J. F. da, Rocha, A. da, & Dib, L. A. da R. (2007). Building a better measure of business performance. RAC-Eletrônica, 1(2), 114-135. Retrieved from http://www.anpad.org.br/periodicos/arq_pdf/a_639.pdf

Carvalho, F. M. de, Kayo, E. K., & Martin, D. M. L. (2010). Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 871-889. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/rac/v14n5/v14n5a07.pdf. doi: 10.1590/S1415-65552010000500007.

Carvalho, F. M., & Ensslin, S. R. (2006, julho). A evidenciação voluntária do capital intelectual: um estudo revisionista do contexto internacional. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 7.

Castro, D. J. (2009, agosto). Em busca da “reputação corporativa”: perspectivas conceituais e metodológicas. Anais dos Seminários em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 12.

Chauvin, K. W., & Hirschey, M. (1993). Adversiting, R&D expenditures and the market value of the firm. Financial Management, 22(4), 128-140. doi: 10.2307/3665583

Colauto, R. D., Nascimento, P. S., Avelino, B. C., & Bispo, O. N. A. (2009). Evidenciação de ativos intangíveis não adquiridos nos relatórios da administração das companhias listadas nos níveis de governança corporativa da Bovespa. Contabilidade Vista e Revista, 20(1), 142-169.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2008). Pronunciamento técnico CPC 04 – ativo intangível. Retrieved from http://www.cpc.org.br/mostraOrientacao.php?id=27.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2010). Pronunciamento técnico CPC 04 (R1) – ativo intangível. Retrieved from http://www.cpc.org.br/pdf/CPC04_R1.pdf.

Connolly, R. A., & Hirschey, M. (2005). Firm size and the effect of R&D on Tobin’s q. R&D Management, 35(2), 217-223. doi: 10.1111/j.1467-9310.2005.00384.x

Crisóstomo, V. L. (2009). Ativos intangíveis: estudo comparativo dos critérios de reconhecimento, mensuração e evidenciação adotados no Brasil e em outros países. Contabilidade, Gestão e Governança, 12(1), 50-68.

Cunha, J. V. A., & Coelho, A. C. (2007). Regressão linear múltipla. In L. J. Corrar, E. Paulo, & J. M. Dias, Filho (Coords.), Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia (pp. 131-231). São Paulo: Atlas.

Edvinsson, L., & Malone, M. S. (1998). Capital intelectual: descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron Books.

Ensslin, S. R., & Carvalho, F. N. de (2007). Voluntary disclosure of intellectual capital in the Brazilian context: an investigation informed by the international cont ext. International Journal of Accounting, Auditing and Performance Evaluation, 4(4/5), 478-500. doi: 10.1504/IJAAPE.2007.017089

Fávero, L. P. L., Belfiore, P., Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. São Paulo: Campus.

Flamholtz, E. (1985). Human resource accounting. London: Jossey-Bass Publishers.

Freundenberg, M. (2003). Composite indicators of country performance: a critical assessment [STI Working Paper 2003/16]. Industry Issues. Retrieved from https://www.itu.int/osg/spu/ni/wsisbridges/linked_docs/Background_papers/otherdocs/OECD_WP_2003_16.pdf

Furtado, A., & Quadros, R. (2006). Construindo o IBI. Inovação Uniemp, 2(3), 26-27.

Furtado, A., Quadros, R., & Domingues, S. A. (2007). Intensidade de P&D das empresas brasileiras. Inovação Uniemp, 3(6), 26-27.

Furtado, A., Quadros, R., Domingues, S. A., Camillo, E., Inácio, E., Jr., & Righetti, S. (2007). IBI – o ranking das empresas. Inovação Uniemp, 3(3), 30-35.

Furtado, A., Quadros, R., Righetti, S., Inácio, E., Jr., Domingues, S. A., & Camillo, E. (2007). Índice Brasil de inovação: manual informativo sobre o procedimento de adesão das empresas [Manual]. Unicamp/IG/DPCT, Labjor, Campinas, SP, Brasil.

Gallon, A. V., Lyrio, M. V. L., & Ensslin, S. R. (2008). Gerenciamento do capital intelectual de uma EBT incubada: a contribuição da metodologia multicritério de apoio à decisão construtivista. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Grant, R. M. (1991). The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California Management Review, 33(3), 114-135.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999). Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Hillman, A. J., & Keim, G. D. (2001). Shareholder value, stakeholder management, and social issues: What’s the bottom line?. Strategic Management Journal, 22(2), 125-139. doi: 10.1002/1097-0266(200101)22:2<125::AID-SMJ150>3.0.CO;2-H

Hoog, W. A. Z. (2008). Fundo de comércio goodwill em: apuração de haveres, balanço patrimonial, dano emergente, lucro cessante, locação não residencial. Curitiba: Juruá Editora.

Inácio, E., Jr., & Quadros, R. (2006). Apresentando a fórmula do IBI. Inovação Uniemp, 2(5), 26-27.

Inácio, E., Jr., & Quadros, R. (2008). Proposição de um novo método de seleção de micro, pequenas e médias empresas de base tecnológica (MPEBT). Anais do Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, São Paulo, SP, Brasil, 5.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2006). Pesquisa de inovação tecnológica – Pintec 2005: pesquisa de inovação. Rio de Janeiro: IBGE.

International Accounting Standards. (2003). International Accounting Standard (IAS) 21. Retrieved from http://www.iasplus.com/en/standards/ias/ias21

International Accounting Standards. (n.d.). International Accounting Standard (IAS) 38. Retrieved from http://www.iasplus.com/en/standards/ias/ias38

Iudícibus, S. de, Martins, E., Gelbcke, E. R., & Santos, A. dos (2013). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1996). The balanced scorecard: translating strategy into action. Boston: Harvard Business School.

Kaufmann, L., & Schneider, Y. (2004). Intangibles: a synthesis of current research. Journal of Intellectual Capital, 5(3), 366-388. doi: 10.1108/14691930410550354

Kayo, E. K. (2002). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível intensivas: uma contribuição ao estudo da valoração de empresas (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Retrieved from http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-05032003-194338/publico/teseeduardokayo.pdf

Kayo, E. K., Patrocínio, M. R., & Martin, D. M. L. (2009). Intangibilidade e criação de valor em aquisições: o papel moderador do endividamento. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 44(1), 59-69.

Kayo, E. K., Teh, C. C., & Basso, L. F. C. (2004). A influência dos ativos intangíveis sobre a estrutura de capital. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28.

Kimura, H., & Suen, A. S. (2003). Ferramentas de análise gerencial baseadas em modelos de decisão multicriteriais. RAE-Eletrônica, 2(1), 1-18. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/raeel/v2n1/v2n1a07.pdf

Kohler, E. L. (1957). A dictionary for accountants. New York: Prentice-Hall.

Kor, Y. Y., & Mahoney, J. T. (2004). Edith Penrose’s (1959) contributions to the resource-based view of strategic management. Journal of Management Studies, 41(1), 183-191. doi: 10.1111/j.1467-6486.2004.00427.x

Kot, E. M. (2009). How to conduct the audit of intellectual capital in Polish tourism business?. Journal of Knowledge Management, 7(4), 459-468.

Lee, R. P., & Chen, Q. M. (2009). The immediate impact of new product introductions on stock price: the role of firm resources and size. Journal of Product Innovation Management, 26(1), 97-107. doi: 10.1111/j.1540-5885.2009.00337.x

Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. (2007). Altera e revoga dispositivos da Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei n. 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Diário Oficial da União. Brasília, DF, Brasil. Retrieved from http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11638.htm

Lev, B. (2001). Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings Institution Press.

Lima, A. C., & Carmona, C. U. (2011). Determinantes da formação do capital intelectual nas empresas produtoras de tecnologia da informação e comunicação. Revista de Administração Mackenzie, 12(1), 112-138. doi: 10.1590/S1678-69712011000100005

Lopes, A. B., & Walker, M. (2008). Firm-level incentives and the informativeness of accounting reports: an experiment in Brazil [Working paper]. Retrieved from http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1095781

Lopes, D. P. T., & Barbosa, A. C. Q. (2010). Inovação gerencial e organizacional no Brasil: uma análise a partir da pesquisa de inovação tecnológica. Anais dos Seminários sobre a Economia Mineira, Belo Horizonte, MG, Brasil, 14.

Macedo, M. A. S. da, Machado, M. R., Machado, M. A. V., & Mendonça, P. H. C. (2013). Impacto da convergência às normas contábeis internacionais no Brasil sobre o conteúdo informacional da contabilidade. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 7(3), 222-239.

Machado, J. H., & Famá, R. (2011). Ativos intangíveis e governança corporativa no mercado de capitais brasileiro. Revista Contemporânea de Contabilidade, 8(16), 89-110.

Marr, B., Schiuma, G., & Neely, A. (2004). The dynamics of value creation: mapping your intellectual performance drivers. Journal of Intellectual Capital, 5(2), 312-325. doi: 10.1108/14691930410533722

McGahan, A. M., & Porter, M. E. (2002). What do we know about variance in accounting profitability?. Management Science, 48(7), 834-851. doi: 10.1287/mnsc.48.7.834.2816

Megna, P., & Klock, M. (1993). The impact of intangible capital on Tobin’s q in the semiconductor industry. The American Economic Review, 83(2), 265-269.

Mintzberg, H. (1973). The nature of managerial work. New York: Harper & Row.

Mueller, D. C. (1977). The persistence of profits above the norm. Economica, 44(176), 369-380. doi: 10.2307/2553570

Nascimento, E. M., Oliveira, M. C. de, Marques, V. A., & Cunha, J. V. A. da (2012). Ativos intangíveis: análise do impacto do grau de intangibilidade nos indicadores de desempenho empresarial. Enfoque: Reflexão Contábil, 31(1), 37-52. doi: 10.4025/enfoque.v31i1.10586

National Institute of Science and Technology Policy. (1995). Science and technology indicators 1994: a systematic analysis of science and technology activities in Japan [NISTEP Report, n.37]. Retrieved from http://www.nistep.go.jp/achiev/ftx/eng/rep037e/pdf/rep037e.pdf

Neely, A., Gregory, M., & Platts, K. (1995). Performance measurement system design: a literature review and research agenda. International Journal of Operations & Production Management, 15(4), 80-116. doi: 10.1108/01443579510083622

Nonaka, I ., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

Oening, K. S. (2010). Pluralismo teórico na gestão estratégica: a compreensão da vantagem competitiva a partir da harmonização de perspectivas antagônicas. Revista de Negócios, 15(1), 45-56. doi: 10.7867/1980-4431.2010v15n1p45-56

Organization for Economic Co-operation and Development. (2005). Oslo manual: proposed guidelines for collecting and interpreting technological innovation data [Manual]. OECD, Paris.

Oyadomari, J. C. T., Cardoso, R. L., Silva, B., O. T. da, & Perez, G. (2010). Sistemas de controle gerencial: estudo de caso comparativo em empresas inovadoras no Brasil. Revista Universo Contábil, 6(4), 21-34. doi: 10.4270/ruc.2010429

Pacheco, V. (2005). Mensuração e divulgação do capital intelectual nas demonstrações contábeis: teoria e empiria (Tese de Doutorado). Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Penrose, E. T. (1959). The theory of the growth of the firm. Oxford: Oxford University.

Penrose, E. T. (2006). A teoria do crescimento da firma. Campinas: Editora da Unicamp.

Perez, M. M., & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade & Finanças, 17(40), 7-24. doi: 10.1590/S1519-70772006000100002

Peteraf, M. A. (1993). The cornerstones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal, 14(3), 179-191. doi: 10.1002/smj.4250140303

Petkov, R. R. (2011). The current financial crisis and its potential impact on internally generated intangible assets. International Journal of Business and Management, 6(3), 37-44. doi: 10.5539/ijbm.v6n3p37

Petty, R., & Guthrie, J. (2000). Intellectual capital literature review: measurement, reporting and management. Journal of Intellectual Capital, 1(2), 155-176. doi: 10.1108/14691930010348731

Quadros, R., & Furtado, A. (2007). Índice Brasil de Inovação: a próxima etapa. Inovação Uniemp, 3(5), 26-27.

Ramos, M. Y. (2008). Evolução e novas perspectivas para a construção e produção de indicadores de ciência, tecnologia e inovação [Número Especial]. Encontros Bibli, 1-23. doi: 10.5007/1518-2924.2008v13nesp1p1

Ray, G., Xue, L., & Barney, J. B. (2013). Impact of information technology capital on firm scope and performance: the role of asset characteristics. Academy of Management Journal, 56(4), 1125-1147.

Rezende, Y. (2001). Informação para negócios: os novos agentes do conhecimento e a gestão do capital intelectual. Caderno de Pesquisas em Administração, 8(1), 11-21.

Richardson, R. J. (2007). Pesquisa social: métodos e técnicas (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Righetti, S., & Pallone, S. (2007). Consolidando também o conceito de inovação tecnológica. Inovação UNIEMP, 3(4), 26-27.

Ritta, C. O., & Ensslin, S. R. (2010). Investigação sobre a relação entre ativos intangíveis e variáveis financeiras: um estudo nas empresas brasileiras pertencentes ao Índice Ibovespa nos anos de 2007 e 2008. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 10.

Roberts, P. W., & Dowling, G. R. (2002). Corporate reputation and sustained superior financial performance. Strategic Management Journal, 23(12), 1077-1093. doi: 10.1002/smj.274

Rocha, D. (2009). Uma análise sobre o prêmio fornecido pelas patentes às firmas brasileiras (Dissertação de mestrado). Departamento de Economia, Setor de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Retrieved from http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/23447/Dissertacao.pdf?sequence=1

Rumelt, R. P. (1991). How much does industry matter?. Strategic Management Journal, 12(3), 167-185. doi: 10.1002/smj.4250120302

Santos, E. S. (2012). Análise dos impactos dos CPCs da primeira fase de transição para o IFRS no Brasil: um exame dos ajustes aos resultados nas DFPS de 2008. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(15), 23-43. doi: http://dx.doi.org/10.11606/rco.v6i15.52655

Santos, J. G. C. dos, Silva, L. S., Gallon, A. V., & De Luca, M. M. M. (2011). Ativos Intangíveis de empresas inovadoras. Revista Ciências Sociais em Perspectiva, 10(18), 85-108.

Santos, J. G. C. dos, Silva, L. S., Gallon, A. V., & De Luca, M. M. M. (2012). Intangibilidade e inovação em empresas no Brasil. Revista de Administração e Inovação, 9(2), 197-221. doi: 10.5773/rai.v9i2.762

Santos, J. G. C. dos, Vasconcelos, A. C. de, & De Luca, M. M. M. (2013). Perfil da inovação e da internacionalização de empresas transnacionais. Revista de Administração e Inovação, 10(1) 198-211. doi: 10.5773/rai.v1i1.1103

Santos, J. L. dos, & Schmidt, P. (2002). Análise e evidenciação contábil da propriedade intelectual. Revista ConTexto, 2(3), 1-11.

Schimdt, P., & Santos, J. L. dos (2002). Avaliação de ativos intangíveis. São Paulo: Atlas.

Schmalensee, R. (1985). Do markets differ much?. The American Economic Review, 75(3), 341-351.

Schmidt, P. (2002). Controladoria: agregando valor para a empresa. Porto Alegre, RS: Bookman.

Silva, M. F. de O. (2009). A vantagem competitiva das nações e a vantagem competitiva das empresas: a localização e importante? (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Stewart, T. A. (1999). Intellectual capital: the new wealth of organizations. New York: Doubleday.

Surroca, J., Tribó, J. A., & Waddock, S. (2010). Corporate responsibility and financial performance: the role of intangible resources. Strategic Management Journal, 31(5), 463-490. doi: 10.1002/smj.820

Sveiby, K. E. (1997). The new organizational wealth: managing & measuring knowledge-based assets. San Francisco: Berrett-Koehler Publishers.

Teece, D. J., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 509-533. doi: 10.1002/(SICI)1097-0266(199708)18:7<509::AIDSMJ882>3.0.CO;2-Z

Teixeira, J. P., Petri, S. M., & Marques, T. O. de (2012). O valor da marca como um ativo intangível: um estudo de caso da WEG S.A. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(2), 45-67.

Teixeira, M. L. M., & Popadiuk, S. (2003). Confiança e desenvolvimento de capital intelectual: o que os empregados esperam de seus líderes? Revista de Administração Contemporânea, 7(2), 73-92. doi: 10.1590/S1415-65552003000200005

Tironi, L. F., & Cruz, B. O. de (2008). Inovação incremental ou radical: há motivos para diferenciar? Uma abordagem com dados da Pintec (Texto para discussão, Nº 1360). Rio de Janeiro, RJ: Ipea.

Ulrich, D., & Smallwood, N. (2005). HR’s new ROI: return on intangibles. Human Resource Management, 44(2), 137-142.

United Nations Development Programme. (2001). Human development report 2001 - making new technologies work for human development. Oxford, UK: Oxford University Press. Retrieved from http://hdr.undp.org/sites/default/files/reports/262/hdr_2001_en.pdf

Vasconcelos, A. C. de, Santos, R. F., De Luca, M. M. M., & Cunha, J. V. A. da (2013). Longitudinal study of the degree of intangibility of the largest banks in Brazil. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(19), 40-58. doi: 10.11606/rco.v7i19.55516

Villalonga, B. (2004). Intangible resources, Tobin’s q and sustainability of performance differences. Journal of Economic Behavior & Organization, 54(2), 205-230. doi: 10.1016/j.jebo.2003.07.001

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(2), 171-180. doi: 10.1002/smj.4250050207