Os lugares das empregadas domésticas Outros Idiomas

ID:
33813
Resumo:
Quais são os lugares das empregadas domésticas? Buscando solucionar essa questão, este artigo utiliza a noção de lugar como espaço social e simbólico que se relaciona à territorialidade e à identidade. Para o estudo, foram entrevistadas empregadas domésticas em uma abordagem qualitativa de pesquisa, sob o método de história de vida, considerando que as noções de tempo e de memória estão diretamente relacionadas às de lugar, território e identidade. Pelas trajetórias de vida das empregadas, percebemos maior identificação e sentimento de pertencimento com os lugares atuais de trabalho e de moradia. No lugar de trabalho, a casa enquanto esfera produtiva, há, ao mesmo tempo, proximidade física e distanciamento simbólico entre empregadas e patrões. O que se destaca nos depoimentos é a recorrente negação da condição de empregada doméstica para se permitirem pertencerem aos lugares. Os resultados reforçam tanto o simbolismo do lugar quanto sua pluralidade, já que são lugares, no plural, os ocupados pelas empregadas domésticas e reforçam, sobretudo, a diferenciação entre estar fisicamente em um lugar e simbolicamente a ele pertencer. Além disso, observamos que as empregadas, como qualquer sujeito social, podem experimentar diversas noções de pertencimento e territorialidade ao longo de suas vidas.
Citação ABNT:
TEIXEIRA, J. C.; SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P. Os lugares das empregadas domésticas. Organizações & Sociedade, v. 22, n. 72, p. 161-178, 2015.
Citação APA:
Teixeira, J. C., Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2015). Os lugares das empregadas domésticas. Organizações & Sociedade, 22(72), 161-178.
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/33813/os-lugares-das-empregadas-domesticas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGNEW, J. A.; DUCAN, J. S. The power of place: bringing together geographical and sociological imaginations. Boston: Unwin Hyman, 1989.

ALBAGLI, S. Território e territorialidade. In: ALBAGLI, S. Territórios em movimento: cultura e identidade como estratégia de inserção competitiva. Brasília: Sebrae, 2004. p. 23-69.

AUGÉ, M. Não-lugares: uma introdução a uma antropologia da supermodernidade. São Paulo: Papirus, 1994. 111 p.

BARBOSA, M. L. O. Ensaio bibliográfico: as profissões no brasil e sua sociologia. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 46, n. 3, p. 593-607, 2003.

BERNARDES, N. M. G. Vida cotidiana e subjetividade de meninos e meninas das camadas populares: meandros de opressão, exclusão e resistência. Psicologia, Ciência e Profissão, v. 12, n. 3/4, p. 24-33, 1992.

BERNARDINO-COSTA, J. Sindicato das trabalhadoras domésticas no Brasil: teorias da descolonização e saberes subalternos. 2007. 287 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M. R. A bipolaridade do trabalho femenino no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, n. 110, p. 67-0104, jul. 2000.

BRUSCHINI, M. C. A. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, set./dez. 2007.

CAMARGO, H. M. Qual o lugar que a empregada doméstica ocupa na proteção jurídica da família, da criança e do adolescente? In: CONGRESSO PAULISTA DE DIREITO DA FAMÍLIA, III, 2009, São Paulo. Anais... São Paulo: IBDFAMSP, 2009.

CAMPOS, D. M. C. O grupo Palmares (1971-1978): um movimento negro de subversão e resistência pela construção de um novo espaço social e simbólico. 2006. 196 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

CAMPOS, H. R.; ALVERGA, A. R. Trabalho infantil e ideologia: contribuição ao estudo da crença indiscriminada na dignidade do trabalho. Estudos de Psicologia, v. 6, n. 2, p. 227-233, 2001.

CARDOSO, C. F. Repensando a construção do espaço. Revista de História Regional, v. 3, n. 1, p. 7-23, 2007.

CARLOS, A. F. O lugar no/do mundo. São Paulo: Hucitec, 1996.

CASTROGIOVANNI, A. C. Lugar, no-lugar y entre-lugar: los ángulos del espacio turístico. Estudios y Perspectivas en Turismo, v. 16, n. 1, p. 5-25, 2007.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHANLAT, J. F. (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1996.

CORRÊA, R. L. Formas simbólicas e espaço: algumas considerações. GEOgraphia, Niterói, v. 9, n. 17, p. 7-17, 2007.

DASKALAKI, M.; STARAB, A; IMAS, M. The 'parkour organisation': inhabitation of corporate spaces. Culture and Organization, v. 14, n. 1, p. 49-64, Mar. 2008.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FREITAS, M. E. Identidade e identidades: somos o branco e o arco-íris. In: CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A. S.; ENOQUE, A. G.; GANDOLFI, P. E. (Org.). Identidade nas organizações. Curitiba: Juruá, 2010. p. 11-14.

GONÇALVES, C. M. Análise sociológica das profissões: principais eixos de desenvolvimento. Porto: Universidade do Porto, 2007.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HARRIS, D. E. 'Você vai me servir': desigualdade, proximidade e agência nos dois lados do Equador. 2006. 181 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

IBGE – INSTITUTOBRASILEIRO DEGEOGRAFIA EESTATÍSTICA. Censo populacional 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

IBGE – INSTITUTOBRASILEIRO DEGEOGRAFIA EESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2009. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

KOFES, S. Experiências sociais, interpretações individuais: histórias de vida, suas possibilidades e limites. Cadernos Pagu, v. 3, p. 117-141, 1994.

LARSON, M. S. The rise of professionalism. Berkeley: University of California Press, 1977.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia de pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

MACHADO, H. V.; KOPITTKE, B. A identidade no contexto organizacional: perspectivas múltiplas de estudo. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, II, 2002, Recife. Anais... Recife: UFPE, 2002.

MARCONDES, W. B. et al. O peso do trabalho 'leve' feminino à saúde. São Paulo em Perspectiva, v. 17, n. 2, p. 91-101, 2003.

MARTINS, H. H. T. S. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 2, p. 289-300, maio/ago. 2004.

OLIVEIRA, R. B. A cidadania a partir de 1930 e sua relação com as categorias profissionais: uma leitura sobre o emprego doméstico. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, v. 2, n. 1, p. 1-22, jul./dez. 2009.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RICHARDSON, T.; JENSEN, O. B. Linking discourse and space: towards a cultural sociology of space in analyzing spatial policy discourses. Urban Studies, v. 40, n. 1, p. 7-22, Jan. 2003.

SAFFIOTI, H, I. B. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

SAFFIOTI, H, I. B. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SANTOS, J. K. C. Quebrando as correntes invisíveis: uma análise crítica do trabalho doméstico no Brasil. 2010. 85 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de Brasília. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2010.

SEGATTO, R. Em busca de um léxico para teorizar a experiência territorial contemporânea. História Revista, v. 10, n. 2, p. 195-226, jul./dez. 2005.

SOUZA, M. J. L. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

SPINK, P. O lugar do lugar na análise organizacional. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, ed. especial, p. 11-34, 2001.

STEWART, P. J.; STRATHERN, A. Landscape, memory and history: anthropological perspectives. London: Pluto Press, 2003.

TRIVIÑOS, A. R. S.Introdução à pesquisa em ciências sociais: pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VILHENA, J. Da cidade onde vivemos a uma clínica do território: lugar e produção de subjetividade. Pulsional: Revista de Psicanálise, São Paulo, v. 15, n. 163, p. 48-54, nov. 2002.