A influência do “Mundo dos Negócios” na governança ambiental global Outros Idiomas

ID:
34133
Resumo:
Desde a Rio 92 cresce a participação das organizações não ambientais e do setor privado nas conferências ambientais promovidas pela Organizações das Nações Unidas (ONU) e, portanto, na governança ambiental global. Dessa forma, as normas, regras e procedimentos que regulam a proteção ambiental em todo mundo acabam sendo influenciados por organizações como o Banco Mundial, bancos privados e outras empresas privadas dos mais diversos setores. Nesse contexto, o objetivo deste estudo é discorrer sobre a inserção das organizações não ambientais e do setor privado na governança ambiental global nos últimos anos. Para tanto, desenvolveu-se um estudo bibliográfico e documental baseado em artigos científicos, institucionais e jornalísticos, além de documentos oficiais. No final do trabalho foi possível constatar que as organizações não ambientais e do setor privado, por meio de lobby, do seu poder estrutural e das redes que formam (associações empresariais), estão cada vez mais inseridas nas discussões ambientais e, assim, acabam por influenciar as decisões tomadas.
Citação ABNT:
RAMPAZO, A. V.; ICHIKAWA, E. Y.; CARRIERI, A. P. A influência do “Mundo dos Negócios” na governança ambiental global . Revista de Ciências da Administração, v. 16, n. 40, p. 75-89, 2014.
Citação APA:
Rampazo, A. V., Ichikawa, E. Y., & Carrieri, A. P. (2014). A influência do “Mundo dos Negócios” na governança ambiental global . Revista de Ciências da Administração, 16(40), 75-89.
DOI:
10.5007/2175-8077.2014v16n40p75
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/34133/a-influencia-do----mundo-dos-negocios----na-governanca-ambiental-global-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACCIOLY, Inny; SÁNCHEZ, Celso. Antiecologismo no Congresso Nacional: o meio ambiente representado na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Brasília, DF, n. 25, p. 97-108, jan.-jun. 2012.

ACCIOLY, Inny; SÁNCHEZ, Celso; LAYRARGUES, Philippe Pomier. O anti-ecologismo e a dinâmica políticoambiental brasileira: desafios à educação ambiental. ENCONTRO NACIONAL DA ANPPAS, 6., Anais Eletrônicos..., Belém, 2012.

ALMEIDA, Luciana Togeiro de. Economia verde: a reiteração de ideias à espera de ações. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, n. 74, p. 93-103, 2012.

AMIGOS DA TERRA INTERNACIONAL. Liberemos a ONU da captura corporativa. Amsterdã: FOEI, 2012

ANDRADE, Jose Célio Silveira. Participação do setor privado na Governança Ambiental Global: evolução, contribuições e obstáculos. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 31, n. 2, Rio de Janeiro, maio-ago. 2009.

BARROS-PLATIAU, Ana Flávia. Novos atores, governança global e o direito internacional ambiental. SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DIREITO AMBIENTAL, 2., Anais Eletrônicos..., Belém, 2003.

BARROS-PLATIAU, Ana Flávia; VARELLA, Marcelo Dias; SCHLEICHER, Rafael T. Meio ambiente e relações internacionais: perspectivas teóricas, respostas institucionais e novas dimensões de debate. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, DF, v. 47, n. 2, p. 100-130, 2004.

BASD – BUSINESS ACTION FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT. Private sector and governments discuss green and inclusive economy ahead of Rio+20. 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2012.

BASD – BUSINESS ACTION FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT. What is BASD? 2002. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2012.

COLBY, M. E. Environmental management in development: the evolution of paradigms. Ecological Economics, USA, n. 3, p. 193-213, 1991.

CUNHA, Luís Henrique; COELHO, Maria Célia Nunes. Política e gestão ambiental. In: CUNHA, Sandra Baptista da; GUERRA, Antonio José Teixeira. (Org.). A questão ambiental: diferentes abordagens. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

DOCUMENTO final da Rio+20 é oficialmente adotado por mais de 190 países. Zero Hora, 22 jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2012.

GADAMER, Hans-Georg. O problema da consciência histórica. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006

GODOI, Christiane Kleinübing; BALSINI, Cristina Pereira Vecchio. A pesquisa qualitativa nos estudos organizacionais brasileiros: uma análise bibliométrica. In: SILVA, Anielson Barbosa da; GODOI, Christiane Kleinübing; BANDEIRADE-MELLO, Rodrigo. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

GONÇALVES, Alcindo. O conceito de governança. ENCONTRO DO CONSELHO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO, 15., Anais Eletrônicos..., Manaus, 2006.

HAINES, Andy; ALLEYNE, George; KICKBUSCH, Ilona; DORA, Carlos. From the Earth Summit to Rio+20: integration of health and sustainable development. The Lancet, USA, v. 379, Jun., 2012.

HARARI, Isabel. Boaventura critica a economia verde, e Paul Singer exalta a economia solidária. Carta Maior, 21 jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2013.

HESSEL, Rosana. Incentivos à indústria verde. Correio Braziliense, Brasília, DF, 14 jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2012.

IHU – INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS. Governança ambiental global: uma discussão precarizada: entrevista com Pedro Roberto Jacobi. 31 maio 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2013.

IVANOVA, Maria; GORDON, David; ROY, Jennifer. Towards institutional symbiosis: business and the United Nations in Environmental Governance. RECIEL, USA, n. 16, v. 2, 2007.

IVANOVA, Maria. Institutional design and UNEP reform: historical insights on form, function and financing. International Affairs, USA, n. 88, v. 3, p. 565-584, 2012.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. A cortina de fumaça: o discurso empresarial verde e a ideologia da racionalidade econômica. São Paulo: Annablume, 1998

LE BILLON, Philippe. The political ecology of war: natural resources and armed conflicts. Political Geography, USA, n. 20, p. 561-584, 2001.

LORENZETTI, Julia Vaz; CARRION, Rosinha Machado. Governança ambiental global: atores e cenários. Cadernos Ebape.br, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, Opinião 2, set. 2012.

NAJAM, Adil; PAPA, Mihaela; TAIYAB, Nadaa. Global Environmental Governance: a reform agenda. Winnipeg: IISD, 2006.

O’BRIEN, Robert; GOETZ, Anne Marie; SCHOLTE, Jan Aart; WILLIANS, Marc. Contesting Global Governance: multilateral economic instituitions and global social movements. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

ONU – ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS. O futuro que queremos. 10 jan. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2012.

POMBO, Felipe Ramalho; MAGRINI, Alessandra. Panorama de aplicação da norma ISO 14001 no Brasil. Gestão & Produção, São Carlos, v. 15, n. 1, p. 1-10, jan.-abr. 2008.

RIBEIRO, Wagner Costa. A Ordem ambiental internacional. São Paulo: Contexto, 2001.

RIBEIRO, Wagner Costa. O Brasil na Ordem Ambiental Internacional. In: RIBEIRO, Wagner Costa. (Org.). Patrimônio Ambiental Brasileiro. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2003.

ROSSONI, Luciano; MACHADO-DA-SILVA, Clóvis. Institucionalismo organizacional e práticas de governança corporativa. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 14, n. especial, set. 2010.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987

UNEP – UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME. Towards a green economy; pathways to sustainable development and poverty eradication: a synthesis for policy makers. Nairobi: UNEP, 2011.

UN GLOBAL COMPACT. Global Compact Governança: why contexto matters. 2011a. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2012.

UN GLOBAL COMPACT. UN Global Compact participants. 2011b. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2012.

VIOLA, Eduardo; FRANCHINI, Matías. Os limiares planetários, a Rio+20 e o papel do Brasil. Cadernos Ebape.br, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, artigo 1, set. 2012a.

VIOLA, Eduardo; FRANCHINI, Matías. Sistema internacional de hegemonia conservadora: o fracasso da Rio+20 na governance dos limites planetários. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 3, set.-dez. 2012b.

WBCSD – WORLD BUSINESS COUNCIL FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT. History. [20?]a. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2012.

WBCSD – WORLD BUSINESS COUNCIL FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT. Membership benefits. [20?]b. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2012.

WEINSTEIN, Michael M.; CHARNOVITZ, Steve. The greening of the WTO. Foreign Affairs, USA, v. 8, n. 6, p. 147-156, nov.-dec. 2001.

WILLIAMSON, Oliver E. The mechanisms of governance. New York: The Oxford University Press, 1996.

WTO – WORLD TRADE ORGANIZATION. An introduction to trade and environment in the WTO. 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2012.