Individualismo solidário? Um movimento interdisciplinar para um lócus cultural Outros Idiomas

ID:
34828
Resumo:
Pretende-se com este artigo elucidar relações entre o individualismo e os espaços comumente associados à participação coletiva. Para isso, buscaram-se valores individualistas no interior de duas cooperativas. A partir das narrativas dos cooperados, emergiram três índices empíricos − ausência de controles formais, validação da liderança e estratégias para desenvolvimento coletivo −, todos relacionados a índices teóricos, como solidariedade mecânica e orgânica, cooperativismo e individualismo qualitativo e quantitativo. Foram ilustradas como se davam as relações e, em segunda instância, a força que demonstravam. O resultado alcançado foi a emergência de um individualismo solidário. Por mostrar a localidade dos índices, contribuiu-se para uma visão não apriorística da realidade organizacional, que culminou na percepção mais profunda do universo cooperativista e na problematização das análises dos valores que permeiam as organizações.
Citação ABNT:
QUARESMA JÚNIOR, E. A.; CARRIERI, A. P. Individualismo solidário? Um movimento interdisciplinar para um lócus cultural . Revista Gestão & Planejamento, v. 15, n. 3, p. 574-592, 2014.
Citação APA:
Quaresma Júnior, E. A., & Carrieri, A. P. (2014). Individualismo solidário? Um movimento interdisciplinar para um lócus cultural . Revista Gestão & Planejamento, 15(3), 574-592.
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/34828/individualismo-solidario--um-movimento-interdisciplinar-para-um-locus-cultural-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARRETO, R. O.; PAES DE PAULA, A. P. Os dilemas da economia solidária: um estudo acerca da dificuldade de inserção dos indivíduos na lógica cooperativista. Cadernos EBAPE. BR, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 199-213, jan./jun. 2009.

BERTOLIN, R. V. et al. Assimetria de informação e confiança em interações cooperativas. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 12, n. 1, p. 59-81, jan./mar. 2008.

BHOWMIK, S. As Cooperativas e a Emancipação dos Marginalizados: Estudos de Caso de Duas Cidades na Índia. In: SINGER, P. (Org). Índia. In: SINGER, P. (Org). Economia Solidária. . 2001. Disponível em: . Acesso em 08 ago.2008. (V. 2).

BLANTON, K. K.; BARBUTO J., J. E. Cultural constraints in the workplace: an experiential exercise utilizing Hofstede’s dimensions. Journal of Management Education, v. 29, n. 4, p. 654-666, ago. 2005.

BORGATTI, S. P. NetDraw: Graph Visualization Software. Harvard: Analytic Technologies, 2008.

CARDOSO MAIA, S.; BRESSAN, V. G. F.; WAGNER, M. L.;BRAGA, M. J. Gerenciamento de resultados em cooperativas de crédito no Brasil. BBR Brazilian Business Review, v. 10, n. 4, p. 96-116, 2013.

DELEUZE, G.; GATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34,1995.

DUKHEIM, E. Da Divisão do Trabalho Social. São Paulo:Martins Fontes, 1999.

DUMONT, L. O Individualismo: Uma Perspectiva Antropológica da Ideologia Moderna. Rio de Janeiro: Rocco, 1985.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

GIDDENS, A. Política, Sociologia e Teoria Social. São Paulo: UNESP, 1998.

GOUVEIA, V. V. et al., Dimensões normativas do individualismo e coletivismo: é suficiente a dicotomia pessoal vs social? Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 223-234, 2003.

HEIDEN, A. I. V. D. Cooperativas de reciclagem de lixo e inclusão social: o caso do município de Itaúna, MG. 2008. 93f. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais) – Fundação Educacional de Divinópolis, Universidade Estadual de Minas Gerais, Divinópolis, 2008.

HOFSTEDE, G. Culture’s consequences: Software of the mind. London: McGraw-Hill, 1991.

HOFSTEDE, G. H. Culture's consequences: International differences in work-related values. Beverly Hills: Sage Publications, 1984.

IBGE. Censo Salinas, 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: Acesso em: 1 abr. 2012.

IDE, R. M. Uma análise das diferentes noções do cooperativismo na perspectiva construcionista. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 70-78, maio/ago. 2005.

JUSTEN, C. E. et al., Semeando o antropofagismo na produção acadêmica institucionalista brasileira em administração a partir de abordagem interdisciplinar. Revista de Ciências da Administração, Florianópolis, v. 14 n. 34, p. 9-23, dez. 2012.

KREITLON, M. P. MCMORAL. iPolítica, Cidadania Wireless: Reflexões para o Ensino e a Pesquisa em RSE no Brasil. RAC: Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 271-289, mar./abr. 2012.

LACERDA, D. P. Cultura organizacional: sinergias e alergias entre Hofstede e Trompenaars. Revista de Administração Pública RAP, Rio de Janeiro, v. 45, n. 5, p. 1285-1301, 2011.

LAZZARINI, S. G. The transition from alliance networks to multilateral alliances in the global airline industry. BAR: Brazilian Administration Review, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 19-36, jan./mar. 2008.

LECHAT. N. M. P. As Raízes Históricas da Economia Solidária e seu Aparecimento no Brasil. In: SINGER, P. (Org). Economia solidária, 2002. Disponível em: Acesso em: 8 ago.2008. (V. 1).

LEMOS, A. H. C.; SANTOS, D. M.; DUBEUX, V. J. C. Práticas de gestão de pessoas individualistas ou coletivistas: O que brasileiros e norte-americanos demandam? Revista ADM. MADE, v. 17, n. 1, p. 80-100, 2013.

LENG, C. Y.; BOTELHO, D. How does national culture impact on consumers decision-making styles? Across cultural study in Brazil, the United States and Japan. BAR: Brazilian Administration Review, Curitiba, v. 7, n. 3, p. 260-275, jul./sep. 2010.

MELMAN, S. Depois do Capitalismo. São Paulo: Futura, 2002.

MENDES, L.; CAVEDON, N. R. As culturas organizacionais territorializadas. Revista de Ciências da Administração, Florianópolis, v. 15, n. 35, p. 108-123, abr. 2013.

OCEMG/SESCOOP-MG. Anuário do Cooperativismo Mineiro. 4. ed. Belo Horizonte: Orion, 2009.

PARSONS, T.; BLANCO, J. J.; PÉRES, J. C. El sistema social. Madri: Revista de Occidente, 1996.

PEREIRA, J. P. C. N.; CARVALHO, M. M. Cooperação e localidade: uma análise no contexto do agronegócio de flores. Produção, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 195-209, jan./abr. 2008.

PINHEIRO, I. A.; VIEIRA, L. J. M.; MOTTA, P. C. D. Construindo pontes entre saberes: da literatura à gestão. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 17, n. 55, p. 641-664, out./dez. 2010.

PORTO, J. B.; TAMAYO, A. Valores organizacionais e civismo nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 9, n. 1, p. 35-52, jan. /mar. 2005.

SANTOS, D. F. L. Possibilidades da hermenêutica na Administração. Revista de Ciências da Administração, Madri, v. 11, n. 23, p. 113-133, jan. /abr. 2009.

SINGER, P. . A Recente Ressurreição da Economia Solidária no Brasil. In: SINGER, P. (Org. ) Economia Solidária. Volume 2. 2001. Disponível em: Acesso em 08 ago.2008

SINGER, P. Desenvolvimento capitalista e desenvolvimento solidário. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 51, p. 7-22, maio/ago. 2004.

TOCQUEVILLE, A. A Democracia na América. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

TORRES, C. V.; PÉREZ-NEBRA, A. R. The influence of human values on holiday destination choice in Australia and Brazil. BAR: Brazilian Administration Review, Curitiba, v. 4, n. 3, p. 63-76, sep./dez. 2007.

TRIANDIS, H. C., CHEN, X. P.; CHAN, D. K. -S. Scenarios for the measurement of collectivism and individualism. Journal of Cross-Cultural Psychology, v. 29, p. 275-289, mar. 1998.

TRIANDIS, H. C. Individualism and Collectivism. Boulder: Westview Press, 2005.

TRIANDIS, H. C. The Psychological Measurement of Cultural Syndromes. American Psychologist, Washington, v. 51, n. 4, p. 407-415, abr. 1996.

TROMPENAARS, F. Nas ondas da cultura: como entender a diversidade cultural nos negócios. São Paulo: Educator, 1994.

TROMPENAARS, F. Resolving international conflict: culture and business strategy. London Business School, Londres, v. 7, n. 3, p. 51-88, 1996.

TROMPENAARS, F.; WOOLLIAMS, P. A new framework for managing change across cultures. Journal of Change Management, v. 3, n. 4, p. 361-375, 2003.

TRUJILLO, V. Pesquisa de Mercado Qualitativa & Quantitativa. São Paulo: Scortecci, 2001.

VELHO, G. Individualismo e Cultura: Notas para uma Antropologia da Sociedade Contemporânea. 5. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.