Lembranças depositadas: a construção de uma memória organizacional no extinto Banco da Lavoura (Banlavoura) de Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
35151
Resumo:
O presente artigo discute a construção da memória organizacional a partir da análise do vídeo Memória do tempo, produzido pelo extinto Banco da Lavoura de Minas Gerais (BanLavoura) em 1960, em comemoração aos 35 anos de sua fundação. Na ação que aqui denominamos de “um exercício de futurologia”, documentos e objetos também ficaram trancados em uma urna criada para tal fim até o ano 2000, quando foi reaberta. Foi analisado o discurso organizacional registrado no vídeo Memória do tempo, que ficou trancado na urna por 40 anos, como programado no planejamento da atividade. Realizamos também a coleta e análise de entrevistas com ex-empregados do BanLavoura. A pesquisa se valeu especialmente de referenciais sobre a construção da memória e da identidade organizacional, a fim de discutir a intencionalidade que permeia a construção de certo registro sobre a memória e história, que busca representar o passado da organização. Os resultados da análise demonstraram que a gestão organizacional tinha o interesse de preservar a história e memória da organização, mas não de qualquer história e memória. Não interessava recordar os insucessos, os fracassos, as fragilidades organizacionais, tampouco visou construir uma história com base nas memórias dos empregados, já que eles pouco aparecem no material que analisamos. Interessava fazer conhecer aquilo que colaboraria para a projeção de certa identidade organizacional e de uma memória de como o passado aconteceu. Assim, a memória se faz objeto de disputa e é construída ativamente de forma a contribuir para a forma como a organização é lembrada. Só assim, seria capaz de ajudar na construção de uma boa imagem perante os trabalhadores e a sociedade. Embora o banco estudado não exista mais e, por isso, não abrigue mais uma comunidade de “lavourenses”, o trabalho permite refletir sobre esforços análogos de preservação (e construção) da memória que possam ser realizados por outras organizações.
Citação ABNT:
PERDIGÃO, D. A.; BARROS, A. N.; CARRIERI, A. P.; MIRANDA, S. R. Lembranças depositadas: a construção de uma memória organizacional no extinto Banco da Lavoura (Banlavoura) de Minas Gerais. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 2, p. 92-126, 2015.
Citação APA:
Perdigão, D. A., Barros, A. N., Carrieri, A. P., & Miranda, S. R. (2015). Lembranças depositadas: a construção de uma memória organizacional no extinto Banco da Lavoura (Banlavoura) de Minas Gerais. Revista de Administração Mackenzie, 16(2), 92-126.
DOI:
10.1590/1678-69712015/administracao.v16n
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/35151/lembrancas-depositadas--a-construcao-de-uma-memoria-organizacional-no-extinto-banco-da-lavoura--banlavoura--de-minas-gerais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, A. L. C. (2005). A influência da identidade projetada na reputação organizacional. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Almeida, A. L. C. (2008). A construção de sentido sobre “quem somos” e “como somos vistos”. In M. Marchiori (Org.). Faces da cultura e da comunicação organizacional (Vol. 1, 2a ed., pp. 31-50). São Caetano do Sul: Difusão.

Anteby, M., & Molnár, V. (2012). Collective memory meets organizational identity: remembering to forget in a firm’s rhetorical history. Academy of Management Journal, 55(3), 515-540.

Barros, A., Cruz, R., Xavier, W., Carrieri, A., & Lima, G. (2011). Apropriação dos saberes administrativos: um olhar alternativo sobre o desenvolvimento da área. Revista de Administração Mackenzie, 12(5), 43-67.

Bosi, E. (1979). Memória e sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: T. A. Queiroz.

Caldas, M. P., & Wood, T. J. (1997). Identidade organizacional. Revista de Administração de Empresas, 37(1), 6-17.

Carrieri, A. P., Paula, A. P. P., & Davel, E. (2008, abril/junho). Identidade nas organizações: Múltipla? Fluida? Autônoma? Organizações & Sociedade, 15(45), 127-144.

Cavedon, N. R. (1988). As manifestações rituais nas organizações e a legitimação dos procedimentos administrativos. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Costa, A., & Saraiva, L. (2011). Memória e formalização do passado nas organizações. Revista de Administração Pública, 45(6), 1761-1780.

Costa, A. S. M., Barros, D. F., & Martins, P. E. M. (2010). Perspectiva histórica em administração: novos objetos, novos problemas, novas abordagens. Revista de Administração de Empresas, 50(3), 288-299.

Costa, F. N. (2002). Origem do capital bancário no Brasil: o caso Rubi (Texto para discussão, n. 106). Campinas: IE/Unicamp.

Figueiredo, M. C. (2009). Da memória dos trabalhadores à memória Petrobras: a história de um projeto. Dissertação de mestrado, Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Gomes, A. F., & Santana, W. G. P. (2010). A história oral na análise organizacional: a possível e promissora conversa entre a história e a administração. Cadernos Ebape.BR, 8(1), 1-18.

Hemerson, L. (2000, junho 17). Urna resgata história de banco. Estado de Minas, p. 25.

Howard-Greenvile, J., Metzger, M. L., & Meyer, A. D. (2013). Rekindling the flame: processes of identity resurrection. Academy of Management Journal, 56(1), 113-136.

Ketelaar, E. (2005). Sharing: collected memories in communities of records. Archives and manuscripts, 33(1), 44-61.

Le Goff, J. (2003). História e memória (5a ed.). Campinas: Unicamp.

Lifschitz, J. A. (2014). Os agenciamentos da memória política na América Latina. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 29(85), 145-225.

Lopes, L. C. (2002). Artefatos de memória e representações nas mídias. Ciberlegenda, 7, 1-11.

Memória do tempo (1960). Direção: Banco da Lavoura de Minas Gerais S/A. Filme (30 min), son., P&B (Blackhawh Films Collection).

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3-15.

Psicologia Ciência e Profissão (2005). Pierre Weil. Psicologia Ciência e Profissão, 25(4), 660.

Ribeiro, E. M. (2003, julho/dezembro) Agregação e poder rural nas fazendas do baixo Jequitinhonha mineiro. Unimontes Científica, 5(2), 1-17.

Saraiva, L. A. S. (2009). Mercantilização da cultura e dinâmica simbólica local: a indústria cultural em Itabira, Minas Gerais. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Saraiva, L. A. S., Carrieri, A. P., Enoque, A. G., & Gandolfi, P. E. (2010). Identidade nas organizações: uma questão polêmica em curso. In A. P. Carrieri, L. A. S. Saraiva, A. G. Enoque & P. E. Gandolfi (Orgs.). Identidade nas organizações (pp. 183-186). Curitiba: Juruá.

Schultz, M., & Hernes, T. (2013). A temporal perspective on organizational identity. Organization Science, 24(1), 1-21.

Silva, A. T. B., Spers, R. G., & Wright, J. T. C. (2012). A elaboração de cenários na gestão estratégica das organizações: um estudo bibliográfico. Revista de Ciências da Administração, 14(32), 21-34.

Souza, I. D. S., & Takahashi, V. P. (2012). A visão de futuro por meio de cenários prospectivos: uma ferramenta para a antecipação da inovação disruptiva. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 4(2), 102-132.

Souza, M. M., & Carrieri, A. P. (2012). Identidades, práticas discursivas e os estudos organizacionais: uma proposta teórico-metodológica. Cadernos Ebape.BR, 10(1), 40-64.

Souza, M. M. P., Carrieri, A. P., & Faria, A. A. M. (2009). A projeção da identidade organizacional: um estudo da identidade de uma ferrovia privatizada. In A. P. Carrieri, L. A. S. Saraiva, T. D. Pimentel & P. A. G. Souza-Ricardo (orgs.) Análise do discurso em estudos organizacionais (pp. 249-275). Curitiba: Juruá.

Vizeu, F. (2010). Recontando a (velha) história: reflexões sobre a gênese do management. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 780-797.