O Processo de Criação de Valor Compartilhado Outros Idiomas

ID:
38117
Resumo:
Mesmo trabalhando em um contexto competitivo desfavorável para as empresas no Brasil, a WEG S.A. vem alcançando resultados significativos ao longo de sua história. Mais do que isso, a presente pesquisa indicou que esse crescimento progressivo e sustentado ocorreu com base nos conceitos da Criação de Valor Compartilhado, de Porter e Kramer (2011). Assim, o objetivo deste estudo foi analisar como a WEG S.A. promove a Criação de Valor Compartilhado na região Nordeste do Estado de Santa Catarina. A pesquisa se caracteriza como estudo de caso e os métodos utilizados incluem pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, observação sistemática e entrevistas com roteiro semiestruturado, com posterior análise de conteúdo e triangulação dos dados. O processo metodológico consistiu em: definir o negócio principal da companhia, verificar os pontos de intersecção entre a empresa e as questões sociais e identificar a existência de dimensões sociais para proposição de valor. Os resultados indicaram que a WEG S.A. está trabalhando nos três níveis de Criação de Valor Compartilhado. Além disto, constatou-se que a WEG conecta o seu core business a quatro dimensões sociais: eficiência energética, energias renováveis, produtos elétricos para cuidado humano e educação técnica relacionada à eletricidade.
Citação ABNT:
MORAIS NETO, S.; NEIS, D.; PEREIRA, M. F. O Processo de Criação de Valor Compartilhado. Revista de Administração FACES Journal, v. 14, n. 4, p. 138-156, 2015.
Citação APA:
Morais Neto, S., Neis, D., & Pereira, M. F. (2015). O Processo de Criação de Valor Compartilhado. Revista de Administração FACES Journal, 14(4), 138-156.
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/38117/o-processo-de-criacao-de-valor-compartilhado/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACIJ ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE JOINVILLE. Núcleos. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2012.

ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Biblioteca Virtual, 2012. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2012.

BRYMAN, A. Social Research Methods. Don Mills (Canada): Oxford University Press, 2008.

DIEGUES, S.; BRUNO, L. Eggon João da Silva: ideias e caminhos, a trajetória de um dos fundadores da WEG. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

DRUCKER, P. Sociedade pós-capitalista. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1993.

DUNNING, J. H. Internationalizing Porter’s diamond. Management International Review, [S. l.], v. 33, p. 7-15, 1993.

EISENHARDT, K. M. Building Theories form Case Study Research. The Academy of Management Review, [S. l.], v. 14, n. 4, p. 532-550, 1989.

FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ. Agência FIEP, 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2012.

FIESC FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Santa Catarina em dados: unidade de política econômica e industrial. Florianópolis: FIESC, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

HILLS, G.; PFITZER, M. Measuring the impact of shared value, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2012.

IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estado de Santa Catarina, 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 ago. 2012.

KRUGMAN, P. Geography and Trade. Cambridge: MIT Press, 1991.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1986.

LINCOLN, Y. S.; GUBA E. G. Naturalistic inquiry. Beverly Hills: Sage, 1985.

MORAIS NETO, S.; PEREIRA, M. F.; MORITZ, G. O. Novo Capitalismo: criação de valor compartilhado e responsabilidade social empresarial. Revista Pretexto, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 7291, jul./set. 2012.

MORITZ, G. O. Novo Capitalismo: criação de valor compartilhado e responsabilidade social empresarial. Revista Pretexto, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 7291, jul./set. 2012.

OECD ORGANIZATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT. Avaliações de Políticas Nacionais de Educação Estado de Santa Catarina, Brasil, 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2012.

PORTER, M. E. Clusters and Competition: New Agendas for Companies, Governments, and Institutions. In: PORTER, M. E. On Competition. Boston: Harvard Business School Press, 1998.

PORTER, M. E. Competitive advantage: creating and sustaining competitive performance. New York: Free Press, 1985.

PORTER, M. E. Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York: Free Press, 1980.

PORTER, M. E.; KRAMER, M. Strategy and society: the link between competitive advantage and corporate social responsibility. Harvard Business Review, Boston, v. 84 n. 12, p. 78-92, 2006.

PORTER, M. E.; KRAMER M. The Big Idea: Creating Shared Value. Harvard Business Review, Boston, v. 89, n. 1-2, Jan./Feb. 2011.

PORTER, M. E.; KRAMER M. The Competitive Advantage of Corporate Philanthropy. Harvard Business Review, Boston, Dec. 2002.

PORTER, M. E. Location, Competition and Economic Development: Local Clusters in a Global Economy. Economic Development Quarterly, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1534, Feb. 2000.

PORTER, M. E. O Brasil pode ficar para trás. Revista Exame, São Paulo, n. 1013, 2012.

PORTER, M. E. O Capitalismo do valor compartilhado. HSM Management, [S. l.], Set./Out. 2011.

PORTER, M. E. Parem de gastar tanto dinheiro: Para o guru Michael Porter, as empresas deveriam selecionar melhor seus projetos de responsabilidade corporativa e investir apenas naqueles que têm relação com seu negócio. Guia Exame de Sustentabilidade, São Paulo, p. 86-89, 2007. Entrevista concedida a Ana Luíza Herzog.

PORTER, M. E. The Competitive Advantage of Nations. Harvard Business Review, Boston, p. 73-93, Mar./Apr. 1990.

PORTER, M. E. The Five Competitive Forces That Shape Strategy. Harvard Business Review, Boston, p. 79-93, Jan. 2008.

PORTER, M. E. What is strategy? Harvard Business Review, Boston, p. 61-78, Nov./Dec. 1996.

POTER, M. E. et al. Measuring Shared Value: How to Unlock Value by Linking Social and Business Results. Disponível em: < http:// www.fsg.org/Portals/0/Uploads/ Documents/PDF/Measuring_Shared_Value.pdf>. Acesso em: 10 out. 2012.

SANTA CATARINA. História de Santa Catarina, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2012.

SEBRAE. Indústria Metal-Mecânica, 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2012.

SEBRAE. Santa Catarina em Números. Santa Catarina Sebrae/SC. Florianópolis: Sebrae-SC, 2010.

SEN, A. Development as Freedom. Oxford: Oxford University Press, 1999.

UNITED NATIONS. United Nations Development Programme. Human Development Index, 2011. Disponível em: . Acesso em: 4 ago. 2012.

VAN DER LINDE, C. The Demography of Clusters. Findings from the Cluster Meta-Study. In: BRÖCKER, J.; DOHSE, D.; SOLTWEDEL, R. (Ed.). Innovation Clusters and Interregional Competition. Berlin: Springer, 2003. p. 130-149.

WEG. Sobre a Weg, 2012. Disponível em:. Acesso em: 4 nov. 2012.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 2. ed. São Paulo: Bookman, 2001.