Fatores Determinantes do Disclosure Voluntário sob o Enfoque da Sustentabilidade: uma Análise das Empresas dos Países do BRIC Outros Idiomas

ID:
38645
Resumo:
Este estudo tem por objetivo investigar a relação entre as características econômico-financeiras das empresas e os respectivos níveis de disclosure voluntário de informações, sob o enfoque da sustentabilidade, em conformidade com as diretrizes do relatório da Global Reporting Initiative (GRI). Foram analisados os dados de 93 empresas de capital aberto dos quatro países do chamado Bric – Brasil, Rússia, Índia e China– que publicaram seus relatórios de sustentabilidade de 2010 no modelo GRI e elaboraram as demonstrações contábeis daquele exercício segundo as normas internacionais de contabilidade. Para tratamento dos dados, foi utilizada a Regressão Linear Múltipla. De forma geral, os resultados indicaram que os níveis de disclosure voluntário de informações voltadas para a sustentabilidade estão, de alguma forma, associados a incentivos econômicos. O desempenho e o tamanho afetaram positivamente o nível de disclosure, sugerindo que empresas maiores e com alto desempenho são capazes de influenciar os níveis de disclosure. Enquanto isso, a variável País afetou negativamente o nível de disclosure, indicando que empresas sediadas em países com IDH mais elevado possuem uma menor contribuição para a divulgação voluntária sob o enfoque da sustentabilidade, de acordo com as diretrizes do relatório GRI. As variáveis Rentabilidade, Endividamento e Impacto da atividade no meio ambiente não se mostraram significantes e, portanto, não são apontadas como fatores explicativos dos níveis de disclosure voluntário estudado.
Citação ABNT:
GOMES, P. H. V.; LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C.; PONTE, V. M. R. R. Fatores Determinantes do Disclosure Voluntário sob o Enfoque da Sustentabilidade: uma Análise das Empresas dos Países do BRIC. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 9, n. 2, p. 70-87, 2015.
Citação APA:
Gomes, P. H. V., Luca, M. M. M., Vasconcelos, A. C., & Ponte, V. M. R. R. (2015). Fatores Determinantes do Disclosure Voluntário sob o Enfoque da Sustentabilidade: uma Análise das Empresas dos Países do BRIC. Revista de Gestão Social e Ambiental, 9(2), 70-87.
DOI:
10.5773/rgsa.v9i2.1035
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/38645/fatores-determinantes-do-disclosure-voluntario-sob-o-enfoque-da-sustentabilidade--uma-analise-das-empresas-dos-paises-do-bric/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albers, C.; Günther, T. (2010). Disclosure or not disclosure: determinants of social reporting for STOXX Europe 600 firms. Zeitschriftfür Planung & Unternehmenssteuerung, Online First™, 22 December. Recuperado em 20 fevereiro, 2013, de http://www.springerlink.com/index/C307U2550605JR67.pdf

Assaf, A. Neto. (2009). Finanças corporativas e valor. (4. ed.). São Paulo: Atlas.

Batres, L. A. P.; Miller, V. V.; Pisani, M. J. (2010). CSR, sustainability and the meaning of global reporting for Latin American corporations. Journal of Business Ethics, 91, p. 193-209.

Bernardo, D. C. R. B.; Calegário, C. L. L.; Pinto, L. B.; Peçanha, G. R. G. (2005). Balanço social como ferramenta estratégica empresarial: um estudo dos demonstrativos sociais das sociedades anônimas de capital aberto no Brasil. In: Seminários em Administração FEA/USP – Semead, 8. Anais.. São Paulo: USP.

Bonfim, E. T.; Teixeira, W. D. S.; Monte, P. A. (2015). Relação entre o disclosure da sustentabilidade com a governança corporativa: um estudo nas empresas listadas no Ibrx-100. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 10(1), 6-28.

Brown, H. S.; Jong, M.; Levy, D. L. (2009). Building institutions based on information disclosure: lessons from GRI’s sustainability reporting. Journal of Cleaner Production, 17(1), 571-580.

Burgstahler, D. C.; Hail, L.; Leuz, C. (2006). The importance of reporting incentives: earnings management in European private and public firms. The Accounting Review, 81, p. 983-1.016.

Burgwal, D. V.; Vieira, R. J. O. (2014). Determinantes da divulgação ambiental em companhias abertas holandesas. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 25(64), 0-78.

Coelho, A. C.; Cunha, J. V. A. (2007). Regressão linear múltipla. In: Corrar, L. J.; Paulo, E.; Dias-Filho, J. M. (Coord.). Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas. p. 131-231.

Costa, M. I.; Torres, L. S.; Vasconcelos, A. C.; De Luca, M. M. M. (2013). Classificação do conteúdo dos relatórios de sustentabilidade de empresas premiadas por suas práticas de responsabilidade socioambiental. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 7(2), 147-166.

Delai, I.; Takajashi, S. (2008). Uma proposta de modelo de referência para mensuração da sustentabilidade corporativa. Revista de Gestão Social e Ambiental, 2(1), 19-40.

Depoers, F. A. (2000). Cost benefit study of voluntary disclosure: some empirical evidence from French listed companies. European Accounting Review, 9, p. 245-263.

Diamond, D.; Verrecchia, R. (1991). Disclosure, liquidity and the cost of capital. Journal of Finance, 46, p. 1325-1360

Dragomir, V. D. (2010). Environmentally sensitive disclosures and financial performance in a European setting. Journal of Accounting & Organizational Change, 6(3), 359-388.

Dye, R. (1985). Disclosure of nonproprietary information. Journal of Accounting Research, 23, p. 123-145.

Eng, L. L.; Mak, Y. T. (2003). Corporate governance and voluntary disclosure. Journal of Accounting and Public Policy, 22, p. 325-345.

Fávero, L. P.; Belfiore, P.; Silva, F. L.; Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para a tomada de decisões. Rio de Janeiro: Campus.

Fernandes, S. M. (2012). Nível do disclosure ambiental das empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa: uma análise do período de 2006 a 2010. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(2), 106-120.

Gamerschlag, R.; Möller, K.; Verbeeten, F. (2010). Determinants of voluntary CSR disclosure: empirical evidence from Germany. Review of Managerial Science, 10, p. 10-52.

Graham, J. R.; Harvey, C. R.; Rajgopal, S. (2005). The economic implications of corporate financial reporting. Journal of Accounting and Economics, 40(1/3), 3-73.

GRI - Global Reporting Initiative. About. (2010). Recuperado em 24 julho, 2012, de http://www.globalreporting.org.

Gujarati, D. N. (2006). Econometria básica. (4 ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Guse, G. R.; Caraiani, C.; Dascalu, C.; Lungu, C. I. (2009). Innovations in social and environmental reporting based on the knowledge of stakeholders’ information needs. The Journal of the Faculty of Economics, 3, p. 979-985.

Guttilla, R. W. (2010). Relatórios de sustentabilidade: devem ou não devem ser obrigatórios no Brasil? São Paulo. Recuperado em 15 janeiro, 2013, de http://www.ibgc.org.br/Download.aspx?Ref=Eventos&CodArquivo=259.

Hackston, D.; Milne, M. J. (1996). Some determinants of social and environmental disclosures in New Zealand companies. Accounting, Auditing &Accountability Journal, 9(1), 77-108.

Ho, L. J.; Taylor, M. E. (2007). An empirical analysis of triple bottom line reporting and its determinants: evidence from the United States and Japan. Journal of International Financial Management & Accounting, 18(2), 123-150.

Holland, L.; Foo, Y. B. (2003). Differences in environmental reporting practices in the UK and the US: the legal and regulatory context. The British Accounting Review, 35, p. 1-18.

Holtz, L.; Souza, J. A.; Salaroli, A. R.; Vargas, L. H. F. (2014). Divulgação de informações de caráter social e ambiental nos websites das maiores empresas com atividades no Espírito Santo. Revista de Gestão Social e Ambiental, 8(2), 36-48.

IFRS – International Financial Reporting Standards. (2003). IAS 21 - the effects of changes in foreign exchange rates. Dec.

Lopes, A. B.; Martins, E. (2007). Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Ed. Atlas.

Machado, D. P.; Ott, E. (2015). Estratégias de legitimação social empregadas na evidenciação ambiental: um estudo à luz da teoria da legitimidade. Revista Universo Contábil, 11(1), 136-156.

Mitton, T. A. (2002). Cross-firm analysis of the impact of corporate governance on the East Asian financial crisis. Journal of Financial Economics, 64, p. 215-241.

Montandon, M. M.; Nunes, A. A. A.; Marques, J. A. V. C. (2005). Conversão de demonstrações contábeis pelo SFAS 52: um estudo sobre a propriedade da adoção do dólar justo na Aracruz Celulose S/A. In: Congresso Internacional de Custos, 9. Anais.. Florianópolis: CBC.

Moore, G.; Robson, A. (2001). Corporate social and financial performance: an investigation in the UK supermarket industry. Journal of Business Ethics, 34, p. 299-315.

Murcia, F.D. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário de companhias abertas no Brasil. 182 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis). Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo.

ND. Lei nº 10.165, de 27 de dezembro de 2000. (2000). Altera a Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Recuperado em 1 agosto, 2012, de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10165.htm. 2000.

Norman, W.; Macdonald, C. (2003). Getting to the bottom of “Triple Bottom Line”. Virginia, EUA: Business Ethics Quarterly.

Nossa, V.; Carvalho, L.N. G. (2003). Uma análise do conteúdo do disclosure ambiental de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 27. Anais.. Rio de Janeiro, Anpad.

Reverte, C. (2009). Determinants of corporate social responsibility disclosure ratings by Spanish listed firms. Journal of Business Ethics, 88, 351-366.

Ross, S. A.; Westerfield, R. W.; Jaffe, J. E. (2002). Administração financeira: corporate finance. (2. ed.). São Paulo: Atlas.

Santana, L. M.; Góis, A. D.; De Luca, M. M. M.; Vasconcelos, A. C. (2015). Relação entre disclosure socioambiental, práticas de governança corporativa e desempenho empresarial. Revista Organizações em Contexto, 11(21), 49-72.

Selltiz, C.; Jahoda, M.; Deutsch, M.;Cook, S. W. (1974). Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU.

Silveira, A. D.; Leal, R. P. C.; Carvalhal-Da-Silva, A.; Barros, L. A. B. C. (2007). Evolution and determinants of firm-level corporate governance quality in Brazil. Social Science Research Network, junho. Recuperado em 2 agosto, 2012, de http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=995764.

Verrecchia, R. E. (1983). Discretionary disclosure. Journal of Accounting and Economics, 5, 179194.

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, 22, p. 97-180.

Yamamoto, M. M.; Distadio, L. F.; Fernandes, R. C. (2007). Environmental disclosure in the mining sector in Latin America and South Africa. Easdi Environmental Accounting Sustainable Development Indicators. Praga: Czech Statistical Office, 1, p. 33-34.

Yamamoto, M. M.; Salotti, B. (2006). Informação contábil: estudos sobre sua divulgação no mercado de capitais. São Paulo: Atlas.

Yrigay, H. A.; Respino, R. M. (2012). Estudo de caso comparativo entre o modelo de sustentabilidade adotado pela ANTF e o modelo GRI. Revista de Administração da Unimep, 10(3), 243-262.