O Lado B do Insider Trading: relevância, tempestividade e influência do cargo

ID:
39200
Resumo:
Objetivo – Analisar o impacto das negociações dos insiders nas decisões dos investimentos em ações. Método – Aplicaram-se questionários online, obtendo-se 271 respostas válidas. Nas análises foram utilizados alguns testes estatísticos paramétricos (t e F Anova) e não paramétricos (Mann-Whitney e Kruskal-Wallis). Fundamentação teórica – A pesquisa foi fundamentada na Teoria do “Equilíbrio do Desequilíbrio” de Grossman e Stiglitz (1980), sobre a impossibilidade de os preços nos mercados de capitais serem eficientes, contudo à medida em que os agentes informados negociam seus ativos munidos de informações privilegiadas, mais informativo se torna o sistema de preços, visto que mais informações serão divulgadas indiretamente por meio dos preços dos ativos. Resultados – Os resultados da pesquisa apontaram que as negociações dos insiders são relevantes para as decisões de investimentos dos demais investidores e, ainda, que a tempestividade dessas informações também exerce influência em tais decisões, sendo as negociações anormais aquelas que têm maior influência nas decisões de investimentos em ativos de risco pelos respondentes. Ratifica-se, então, a teoria de Grossman e Stiglitz (1980), pois os resultados sugerem que as negociações dos insiders adiciona informatividade ao sistema de preços das ações. Contribuições – As principais contribuições do estudo estão relacionadas com as evidências em favor do Paradoxo de Grossman e Stiglitz (1980), dando uma base crítica a tão defasada Instrução CVM 358/2002 que regula o insider trading no Brasil. Os resultados reforçam a importância da transparência das negociações dos insiders, para que os participantes do mercado possam fiscalizar e controlar melhor as suas operações, bem como utilizar alguma estratégia de investimento baseada nos sinais dos insiders.
Citação ABNT:
GIRÃO, L. F. A. P.; MARTINS, O. S.; PAULO, E. O Lado B do Insider Trading: relevância, tempestividade e influência do cargo . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 17, n. 58, p. 1341-1356, 2015.
Citação APA:
Girão, L. F. A. P., Martins, O. S., & Paulo, E. (2015). O Lado B do Insider Trading: relevância, tempestividade e influência do cargo . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(58), 1341-1356.
DOI:
10.7819/rbgn.v17i58.2347
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/39200/o-lado-b-do-insider-trading--relevancia--tempestividade-e-influencia-do-cargo-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abdolmohammadi, M.; Sultan, J. (2002). Ethical reasoning and the use of insider information in stock trading. Journal of Business Ethics, v. 37, p. 65-173.

Akerlof, G. A. (1970). The market for 'lemons': quality uncertainty and the market mechanism. The Quarterly Journal of Economics, 84(3), 488-500.

Aslan, H.; Easley, D.; Hvidkjaer, S.; O’Hara, M. (2011). The characteristics of informed trading: implications for asset pricing. Journal of Empirical Finance, 18(5), 782-801.

Azim, I.; Habib, A. (2008). Corporate governance and the value-relevance of accounting information: evidence from Australia. Accounting Research Journal, 21(2), 167-194.

Ball, R.; Brown, P. (1968). An empirical evaluation of accounting income numbers. Journal of Accounting Research, 6(2), 159-178.

Barbedo, C. H.; Silva, E. C.; Leal, R. P. C. (2009). Probabilidade de informação privilegiada no mercado de ações, liquidez intra-diária e níveis de governança corporativa. Revista Brasileira de Economia, 63(1), 51-62.

Beams, J. D.; Brown, R. M.; Killough, L. N. (2003). An experiment testing the determinants of non-compliance with insider trading laws. Journal of Business Ethics, 45(4), 309-323.

Beaver, W. (1968). The information content of earnings announcements. Journal of Accounting Research, v. 6, p. 67-92.

Comissão de Valores Mobiliários. Instrução CVM n. 358, de 3 de janeiro de 2002. Recuperado de http://www.cvm.gov.br.

Dalmoro, M.; Vieira, K.M. (2013). Dilemas na construção de escalas tipo likert: o número de itens e a disposição influenciam nos resultados? Revista de Gestão Organizacional, 6(3), 161-174.

Dechow, P. M.; Hutton, A. P.; Sloan, R. G. (1999). An empirical assessment of the residual income valuation model. Journal of Accounting and Economics, 26(1/3), 1-34.

Fama, E. F. (1970). Efficient capital markets: a review of theory and empirical work. The Journal of Finance, 25(2), 383-417.

Fama, E. F. (1991). Efficient capital markets: II. The Journal of Finance, 46(5), 1575-1617.

Girão, L. F. A. P.; Martins, O. S.; Paulo, E. (2014). Avaliação de empresas e probabilidade de negociação com informação privilegiada no mercado de capitais. Revista de Administração, 49(3), 462-475.

Gregório, D. (2007). O lado B do insider trading. Revista Capital Aberto, 46(4), 30-33.

Grossman, S. J.; Stiglitz, J. E. (1980). On the impossibility of informationally efficient markets. The American Economic Review, 70(3), 393-408.

Holthausen, R. W.; Watts, R. L. (2001). The relevance of the value-relevance literature for financial accounting standard setting. Journal of Accounting and Economics, 31, 3-75.

Jaffe, J. F. (1974). Special information and insider trading. The Journal of Business, 47(3), 410-428.

Lei, Q.; Wang, X. (2012). Time-varying liquidity trading, private information and insider trading. European Financial Management, 0(0), 1-31.

Leland, H. E.; Pyle, D. H. (1977). Information asymmetries, financial structure, and financial intermediation. The Journal of Finance, 32(2), 371-387.

Lima, D. H. S. (2012). Análise do impacto da divulgação adicional de informações contábeis com o uso de recursos textuais e/ou gráficos sobre a percepção dos indivíduos quanto ao nível de disclosure de uma entidade. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da UnB/UFPB/UFRN, Natal, RN, Brasil.

Marsden, J. R.; Tung, Y. A. (1999). The use of information system technology to develop tests on insider trading and asymmetric information. Management Science, 45(8), 1025-1040.

Martins, O. S.; Paulo, E. (2014). Assimetria de informação na negociação de ações, características econômico-financeiras e governança corporativa no mercado acionário brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, 25(64), 33-45.

Martins, O. S.; Paulo, E.; Albuquerque, P. H. (2013). Negociação com informação privilegiada e retorno das ações na BM&FBOVESPA. RAE - Revista de Administração de Empresas, 53(4), 350-362.

Schadewitz, H.; Niskala, M. (2010). Communication via responsibility reporting and its effect on firm value in Finland. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 17(2), 96-106.

Tavakoli, M.; McMillan, D.; McKnight, P. J. (2012). Insider trading and stock prices. International Review of Economics and Finance, 22(1), 254-266.

Tonindael, M. C.; Decourt, R. F. (2012). Insider Trading: um estudo sobre a rentabilidade das operações com ações da própria empresa. Anais do Congresso Virtual Brasileiro - Administração, Brasil, 9. Recuperado de http://www.convibra.com.br/upload/paper/2012/33/2012_33_5341.pdf.

Wu, P. C.; Wang, C. J. (2008). The effect of systematic risk on equity valuation: an extended application of the Ohlson equity valuation model. Journal of Humanities and Social Sciences, 4(1), 69-81.