Internacionalização de Empresas e Governança Corporativa: Uma Análise das Maiores Companhias Abertas do Brasil Outros Idiomas

ID:
39400
Resumo:
Respaldada pela ótica da Economia dos Custos de Transação, neste trabalho verifica-se a relação entre a internacionalização, na perspectiva de uma orientação estratégica multidimensional, e a governança corporativa das maiores companhias abertas do Brasil, em 31/12/2012. De natureza quantitativa, o estudo utiliza o teste de Mann-Whitney e a Regressão Linear Múltipla. Foram consideradas quatro dimensões da internacionalização, a saber: capital social, receitas, mercados e emissão de American Depositary Receipt (ADR). À governança corporativa, adaptou-se o índice de Lameira e Ness (2011), contemplando as dimensões: estrutura de propriedade, adequação ao ambiente institucional, auditoria e conselho fiscal, conselho de administração e outros, e relacionamento com investidores. Os resultados apontaram distintos graus de inserção internacional das empresas e níveis médios de governança corporativa. Verificou-se que as empresas utilizam como estratégia para a internacionalização o capital social, a emissão de ADRs, as exportações e a instalação em outros países, nessa ordem de importância. Foram observados níveis distintos de governança, confrontando-se empresas internacionalizadas com as empresas não internacionalizadas. Identificou-se influência positiva e significativa da estratégia de internacionalização na governança corporativa, revelando-se esta uma provável redutora dos custos de transação no mercado externo.
Citação ABNT:
SANTOS, J. G. C. D.; VASCONCELOS, A. C.; LUCA, M. M. M. Internacionalização de Empresas e Governança Corporativa: Uma Análise das Maiores Companhias Abertas do Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 8, n. 3, p. 300-319, 2015.
Citação APA:
Santos, J. G. C. D., Vasconcelos, A. C., & Luca, M. M. M. (2015). Internacionalização de Empresas e Governança Corporativa: Uma Análise das Maiores Companhias Abertas do Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(3), 300-319.
DOI:
http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2015080302
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/39400/internacionalizacao-de-empresas-e-governanca-corporativa--uma-analise-das-maiores-companhias-abertas-do-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, G. A. R. (2008). Estudo econométrico dos efeitos da migração para OIGC: índice de ações com governança corporativa diferenciada da Bovespa. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, 3(1), 39-53.

Arantes, B. R.; Mottin, A.; Gomes, J. S. (2010). O impacto da internacionalização sobre sistemas de controle gerencial de empresas brasileiras: o caso da Método Engenharia e da Totvs S/A. Revista Contabilidade Vista & Revista, 21(4), 63-87.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Burgman, T. A. (1996). An empirical examination of multinational corporate capital structure. Journal of International Business Studies, 27(3), 553-570.

Carneiro, J.; Dib, L. A. (2007). Avaliação comparativa do escopo descritivo e explanatório dos principais modelos de internacionalização de empresas. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, 2(1), 1-25.

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. Economica, New Series, 4(16), 386-405.

Cunha, T. S. (2012). Governança corporativa e a participação dos investidores estrangeiros nas companhias abertas latino americanas. 36 f. Dissertação de Mestrado em Economia e Finanças – Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Domeneghetti, D.; Meir, R. (2009). Ativos intangíveis: como sair do deserto competitivo dos mercados e encontrar um oásis de valor e resultados para a sua empresa. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Duarte, E.; Cardozo, M. A.; Vicente, E. F. R. (2012). Governança: uma investigação da produção científica brasileira no período de 2000 a 2009. Contabilidade, Gestão e Governança, 15(1), 115-127.

Export Manager. (2008). Estratégias de internacionalização. São Paulo: Export Manager Business School. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2013.

Faro, R.; Faro, F. (2010). Competitividade no comércio internacional: acesso das empresas brasileiras aos mercados globais. São Paulo: Atlas.

Fávero, L. P.; Belfiore, P.; Silva, F. L.; Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Floriani, D. E.; Fleury, M. T. (2012). O efeito do grau de internacionalização nas competências internacionais e no desempenho financeiro da PME brasileira. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 16(3), 438-458.

Gomes, J. S.; Martinewski, A. L. (2001). Contabilidade de gestão em empresas internacionalizadas: algumas evidências de empresas brasileiras. Revista Contabilidade Vista & Revista, 12(1), 9-30.

Hair Jr.; J. F.; Black, W. C.; Babin, B. J.; Anderson, R. E.; Tathan, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman.

Hassel, A.; Höpner, M.; Kurdelbusch, A.; Rehder, B.; Zugehör, R. (2003). Two dimensions of the internationalization of firms. Journal of Management Studies, 40(3), 701-720.

Heijltjes, M.; Olie, R.; Glunk, U. (2003). Internationalization of top management teams in Europe. European Management Journal, 21(1), 89-97.

Hoque, Z. (2010). Methodological issues in accounting research: theories and methods. London: Spiramus.

Kontinen, T.; Ojala, A. (2010). The internationalization of family business: a review of extant research. Jornal of Family Business Strategy, v. 1, pp. 97-107.

Lameira, V. J. (2012). As relações entre governança e risco nas companhias abertas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios – RBGN, 14(42), 7-25.

Lameira, V. J.; Ness Jr.; W. L. (2011). Os determinantes da qualidade da governança praticada pelas companhias abertas brasileiras. Revista de Negócios, 16(3), 33-52.

Lin, W. (2012). Family ownership and internationalization processes: internationalization pace, internationalization scope, and internationalization rhythm. European Management Journal, v. 30, pp. 47-56.

Lopes, R. S. S.; Gomes, J. S. (2013). O impacto da internacionalização sobre os sistemas de controle gerencial de empresas do setor de indústrias têxtil brasileiro: estudos de casos no segmento de moda feminina. Revista Universo Contábil, 9(2), 6-26.

Machado-da-Silva, C. L.; Fernandes, B. H. R. (1999). O impacto da internacionalização nos esquemas interpretativos dos dirigentes dos dirigentes do Banco Bamerindus. Revista de Administração de Empresas, 39(1), 14-24.

Maia, A. B. G. R.; Vasconcelos, A. C.; De Luca, M. M. M. (2013). Governança corporativa e internacionalização do capital social das companhias brasileiras do setor de construção e transportes. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, 8(2), 40-60.

Mapurunga, P. V. R.; Ponte, V. M. R.; Oliveira, M. C. (2013). Determinantes das práticas de governança corporativa: um estudo nas empresas registradas na CVM. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração – EnANPAD, 37.; Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: EnANPAD.

Masullo, D. G.; Lemme, C. F. (2009). Um exame da relação entre o nível de internacionalização e a comunicação ambiental nas grandes empresas brasileiras de capital aberto. Revista Eletrônica de Administração, 15(3), 557-580.

Milan, G. S.; Eckert, A.; Mello, C. B. C.; Giovanella, R. (2013). A aquisição de uma empresa brasileira como estratégia de internacionalização de uma multinacional fabricante de material elétrico: o processo e principais resultados. REBRAE – Revista Brasileira de Estratégia, 6(2), 121-136.

Mitter, C.; Duller, C.; Feldbauer-Durstmüller, B.; Kraus, S. (2012). Internationalization of family firms: the effect of ownership and governance. Review of Managerial Science, 6(4), 1-28.

Muller, W. R. I. (2008). A internacionalização de empresas brasileiras e a criação de valor para o acionista. 125 f. Dissertação de Mestrado em Administração de Empresas – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Nickels, W. G.; Wood, M. B. (1999). Marketing: relacionamentos, qualidade, valor. Rio de Janeiro: LTC.

Oesterle, M.; Richta, H. N.; Fish, J. H. (2013). The influence of ownership structure on internationalization. International Business Review, v. 22, pp. 187-201.

Ojah, K.; Mokoaleli-Mokoteli, T. (2012). Internet financial reporting, infrastructures and corporate governance: an international analysis. Review of Development Finance, v. 2, pp. 69-83.

Okimura, R. T. (2003). Estrutura de propriedade, governança corporativa, valor e desempenho das empresas no Brasil. 120 f. Dissertação de Mestrado em Administração – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Platchek, R. B.; Floriani, D. E.; Borini, F. M. (2012). A influência do grau de internacionalização no desempenho das empresas têxteis. Revista Gestão Organizacional, 5(1), 70-81.

Procianoy, J. L.; Verdi, R. S. (2009). Adesão aos novos mercados da Bovespa: Novo Mercado, Nível 1 e Nível 2 – Determinantes e consequências. Revista Brasileira de Finanças, 7(1), 107-136.

Reeb, D. M.; Kwok, C. C. Y.; Baek, H. Y. (1998). Systematic risk of the multinational corporation. Journal of International Business Studies, 29(2), 263-279.

Ruigrok, W.; Wagner, H. (2003). Internationalization and performance: an organizational learning perspective. Management International Review, v. 43, pp. 63-83.

Santos, J. G. C.; Vasconcelos, A. C.; De Luca, M. M. M. (2013). Perfil da inovação e da internacionalização de empresas transnacionais. Revista de Administração e Inovação – RAI, 10(1), 198-211.

Santos, J. R. (2009). Teorias da internacionalização: aplicação a um estudo de caso. 122 f. Dissertação de Mestrado em Gestão – Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial, Universidade de Aveiro, Aveiro.

Santos, P. S. A.; Almeida, D. M.; Bezerra, F. A. (2013). Grau de disclosure voluntário e nível de governança corporativa no caso das companhias brasileiras de capital aberto: um estudo de relação. Revista de Administração e Contabilidade – ReAC, 5(1), 4-21.

Sherman, H. D.; Kashlak, R. J.; Joshi, M. P. (1998). The effect of the board and executive committee characteristics on the degree of internationalization. Journal of International Management, v. 4, pp. 311-335.

Silveira, A. D. M.; Barros, L. A. B. C. (2008). Determinantes da qualidade da governança corporativa das companhias abertas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração – REAd, Edição 61, 14(3), 1-29.

Silveira, H. P. (2008). Dupla listagem e estrutura de capital – uma análise das empresas brasileiras emissoras de ADRs. 141 f. Tese de Doutorado em Administração – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Singh, D. A.; Gaur, A. S. (2013). Governance structure, innovation and internationalization: evidence from India. Journal of International Management, v. 19, pp. 300-309.

Smaniotto, E.; Paiva, E. L.; Vieira, L. M. (2012). Estratégia de internacionalização através de upgrading funcional. Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 10(1), 15-29.

Souza, F. C.; Murcia, F. D.; Marcon, R. (2011). Bonding Hypothesis: análise da relação entre disclosure, governança corporativa e internacionalização de companhias abertas no Brasil. Contabilidade, Gestão e governança, 14(2), 62-81.

Stal, E. (2010). Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas. Revista de Administração e Inovação, 7(3), 120-149.

Sullivan, D. (1994). Measuring the degree of internationalization of a firm. Journal of International Business Studies, 34(2), 165-186.

Wang, C. H.; Hsu, L. C.; Fang, S. R. (2008). The determinants of internationalization: evidence from the Taiwan high technology industry. Technological Forecasting & Social Change, v. 75, pp. 1388-1395.

Williamson, O. E. (1996). The mechanisms of governance. New York: Oxford.

Xiao, S. S.; Jeong, I.; Moon, J. J.; Chung, C. C.; Chung, J. (2013). Internationalization and performance of firms in china: moderating effects of governance structure and the degree of centralized control. Journal of International Management, v. 19, pp.118-137.