Cultura e Organizações: para Além da Lacuna Epistemológica Outros Idiomas

ID:
40206
Periódico:
Resumo:
As duas correntes epistemológicas principais do estudo sobre cultura, no que tange às organizações (positivismo e interpretativismo), ilustram grande dificuldade para ultrapassagem de suas dimensões principais de exame. Sustenta-se que essa dificuldade decorre, em certa medida, da não realização de trabalhos multiparadigmáticos, mesmo diante da tentativa de conexão das correntes de análises da integração, da fragmentação e da diferenciação. Assim, esse ensaio teórico problematiza a manutenção dessas barreiras entre correntes epistêmicas e níveis organizacionais. Tem como objetivo propor formas de conexão entre as linhas de pesquisa sobre cultura e organizações, a partir do local intermediário que o filósofo Michel Foucault utilizou para desenvolver sua analítica. Como resultado, foram realizadas três proposições. A partir do período arqueológico do autor, uma alternativa foi apresentada: a busca pelos modos de ser da ordem que fundamenta a cultura. Da genealogia emergem as estratégias e as tecnologias de poder, visíveis no espaço entre saberes, relações com setores, grupos organizacionais, sujeitos. Por fim, a proposição coerente com o elemento éticoestético enfatiza a busca por formas de práticas que o sujeito realiza sobre si, para se relacionar com as tecnologias de poder.
Citação ABNT:
QUARESMA JÚNIOR, E. A.; CARRIERI, A. P. Cultura e Organizações: para Além da Lacuna Epistemológica . Revista Alcance, v. 22, n. 4, p. 570-585, 2015.
Citação APA:
Quaresma Júnior, E. A., & Carrieri, A. P. (2015). Cultura e Organizações: para Além da Lacuna Epistemológica . Revista Alcance, 22(4), 570-585.
DOI:
alcance.v22n4.p570-585
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/40206/cultura-e-organizacoes--para-alem-da-lacuna-epistemologica-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVESSON, M.; BERG, P. O. Corporate culture and organizational symbolism. New York: Walter de Gruyter, 1993.

ANSOFF, I.; MCDONNEL, E. Implantando a Administração Estratégica. São Paulo: Ed. Atlas, 1993.

BASKERVILLE, R. F. Hofstede never studied culture. Accounting, Organizations and Society, v. 28, n. 1, p. 1-14, 2003.

BREWER, P.; VENAIK, S. The Ecological Fallacy in National Culture Research. Organization Studies, mai. 2014.

CALORI, R.; SARNIN, P. Corporate culture and economic performance: a French study. Organization Studies, v. 12 n. 1, p. 49-74, 1991.

CAMPBELL, J.; GÖRITZ, A. Culture Corrupts! A Qualitative Study of Organizational Culture in Corrupt Organizations. Journal of Business Ethics, v. 120, n. 3, p. 291-311, 2014.

CARRIERI, A. P. A cultura no contexto dos estudos organizacionais: breve estado da arte. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 4, n. 1, p. 0-0, 2002.

CAVEDON, N. R.; FACHIN, R. C. Homogeneidade versus Heterogeneidade Cultural: um estudo em universidade pública. Organizações & Sociedade, v. 9, n. 25, p. 61-76, 2002

CHANLAT, J. F. O Indivíduo na Organização: dimensões esquecidas. V.3. São Paulo: Editora Atlas S/A, 1994.

CHAUÍ, M. Conformismo e Resistência: Aspectos da Cultura Popular no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1989.

DELA COLETA, J. A.; DELA COLETA, M. F. Escalas para medida de fatores da cultura organizacional de instituições de educação superior. Aval. Psicol., v. 4, n. 2, nov. 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712005000200007&lng=pt&nrm=iso. Acessos em: 10 out. 2011. 2005.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G.; GATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34,1995.

DÍAZ, E. A Filosofia de Michel Foucault. São Paulo: Editora Uniesp, 2012.

DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica (além do estruturalismo e da hermenêutica)/Hubert Dreyfus, Paul Rabinow. Tradução de Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FELDMAN, M. S. The Meaninges of Ambiguity: Learningfrom stories and metaphors. In: FROST, P. J. et al. Reframing Organizational Culture. London: Sage Publications, 1991.

FERREIRA, M. C. et al. Desenvolvimento de um Instrumento Brasileiro para Avaliação da Cultura Organizacional. Estudos de Psicologia, v. 7, n. 2. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/epsic/v7n2/a08v07n2.pdf. Acessos em 10 out. 2011. 2002.

FINE, G. A.; HALLETT, T. Group Cultures and the Everyday Life of Organizations: Interaction Orders and MesoAnalysis. Organization Studies, Ago. 2014.

FLEURY, M. T. L.; FICHER, R. M. Cultura e Poder nas Organizações. 2. ed. São Paulo: Editora Atlas S/A. 1996.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. A Hermenêutica do Sujeito. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, M. A História da Sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1998.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8. ed. Sã o Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. História da loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade III: A Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal, 1987.

FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1980.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREITAS, M. É. Cultura Organizacional: Identidade, Sedução e Carisma? 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

FROST, P. J.; MOORE, L. F.; LOUIS, M. R.; LUNDBERG, C. C.; MARTIN, J. Reframing organizational culture. California: Sage Publications, 1991.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

GREGORY, K. Native - view paradigms: multiple cultures and culture conflicts in organizations. Administrative Science Quarterly, Ithaca, NY, 1983.

HEINZMANN, L. M.; MACHADO, D. D. P. N. Cultura Organizacional e Estágios de Internacionalização: um Estudo em Quatro Empresas do Segmento de Metal-Mecânico-Elétrico Brasileiro. Vitória, v. 11, n. 2, 2014.

HOFSTEDE, G. A European in Asian. Asian Journal of Social Psychology, v. 10, n. 1, p. 16-21, 1 mar. 2007.

HOFSTEDE, G. Cultures and Organizations: Software of the Mind. London: Harper Collins Publishers, 1994.

HOFSTEDE, G.; HOFSTEDE, G.J.; MINKOV, M. Cultures and Organizations: Software of the Mind. 3 ed. [S.l.]: McGraw-Hill Education, 2010.

HOLLMANN, J.; CARPES, A. M.; BEURON, T. A. The Daimlerchrysler Merger - a Cultural Mismatch? Revista de Administração da UFSM, v. 3, n. 3, p. 431-440, 2010.

HOUSE, R. J. J. M.; DORFMAN, P. W.; GUPTA, V. Culture, Leadership and Organizations: The GLOBE Study of 62 Societies. California: SAGE Publications, 2004.

KUNDA, G. Engineering Culture: Control and Commitment in a High-Tech Corporation. American Journal of Sociology, v. 98, n. 2, p. 413-415, set. 1992.

LOUIS, M. An Investigator´s guide to workplace culture. In: FROST, P. et. al. Organization Culture. Bervely Hills, CA: Sage Publications, 1985.

MARCH, J. G.; OLSEN, J. P. Ambiguity and Choice in Organizations, Bergen: Universitetsforlaget, 1976.

MARTIN, J. Cultures in Organizations: three perspectives. New York: Oxford University Press, 1992.

MCMURRAY, R. The struggle to professionalize: An ethnographic account of the occupational position of Advanced Nurse Practitioners. Human Relations, v. 64, n. 6, p. 801-822, 2011.

MCSWEENEY, B. Incoherent culture. European Journal of Cross-Cultural Competence and Management, v. 1, n. 1, p. 22-27, 2009.

MEYERSON C.; MARTIN, J. Cultural Change: An Integration of three different views. Journal of Management Studies, v. 24, n. 6, November. 1987.

MORGAN, B. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MORGAN, P. I.; OGBONNA, E. Subcultural dynamics in transformation: A multi-perspective study of healthcare professionals. Human Relations, v. 61, n. 1, p. 39-65, 2008.

MURDOCCO, S. O.; OLIVA, E. C. A cultura organizacional e a centralidade nas redes sociais: um estudo exploratório em uma empresa de serviços. Revista de Negócios, v. 18, n. 3, p. 58-75, Julho/Setembro. 2013.

PAULA, A. P. P. Para Além dos Paradigmas nos Estudos Organizacionais: O Círculo das Matrizes Epistemológicas. In: IV Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração, Florianópolis: 2014.

PAULA, A. P. P. [Questões inquietantes]. In: III Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração, Florianópolis: 2013.

PAULA, A. P. P. Repensando os estudos organizacionais: o círculo das matrizes epistemológicas e a abordagem freudofrankfurtiana. (Tese para concurso de Prof. Titular) - Faculdade de Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

PAYNE, R. A. A three dimensional framework for analyzing and assessing culture/climate and its relevance to cultural change. In: COOPER, C. L.; CARTWRIGHT, S.; EARLEY, P. C. The international handbook of organizational culture and climate. Chichester, NY, John Wiley & Sons, Ltd, 2001.

PRASAD, A. Contesting Hegemony through Genealogy: Foucault and Cross Cultural Management Research. International Journal of Cross Cultural Management, v. 9, n. 3, p. 359-369, Dezembro. 2009.

PRIMECZ, H.; ROMANI, L.; SACKMANN, S. A. Cross-Cultural Management Research: Contributions from Various Paradigms. International Journal of Cross Cultural Management, v. 9, n. 3, p. 267-274, Dezembro. 2009.

QUARESMA JR, E. A.; CARRIERI, A. P. Individualismo solidário?Um movimento interdisciplinar para um lócus cultural. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 4, Outubro-Dezembro. 2014.

QUARESMA JR, E. A. Entre o individualismo e solidariedade: um estudo de caso em cooperativas do município de Salinas - MG. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais) - FUNEDI, Universidade Estadual de Minas Gerais, Divinópolis,2009.

SANTOS, M. F. B.; FONSECA, A. C. P. D.; SAUERBRONN, F. F. Cultura Organizacional e Avanço do Management na Marinha do Brasil. Cad. EBAPE.BR, v. 12, n. 1, Jan./Mar. 2014

SANTOS, N. M.; BRONZO, M.; OLIVEIRA, M. P. V.; RESENDE, P. T. V. Cultura Organizacional, Estrutura Organizacional e Gestão de Pessoas como Bases para uma Gestão Orientada por Processos e seus Impactos no Desempenho Organizacional. BBR, v. 11, n. 3, p. 105 129, maio-jun. 2014.

SCHEIN, E.H. Organizational Culture and Leadership. 3. ed. San Francisco: Wiley, 2006.

SCHEIN, E.H. Organizational Culture and Leadership. 4. ed. San Francisco: Wiley, 2010.

SCHEIN, E. H. Organizational Culture and Leadership. San Francisco: Wiley, 1992.

SCHEIN, E. H. Psicologia organizacional. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, 2001.

SMALDINO, P. E. The cultural evolution of emergent group-level traits. Behavioral and Brain Sciences, v. 37, n. 03, p. 243-254, 2014.

SMIRCICH, L. Concepts of culture and organizationalanalysis. Administrative Science Quarterly, v. 28 n. 3, p. 339-358, 1983.

THIRY-CHERQUES, H. R. Métodos estruturalistas: pesquisas em ciências de gestão. São Paulo: Atlas, 2008.

TROMPENAARS, F. Nas ondas da cultura: como entender a diversidade cultural nos negócios. São Paulo: Educator, 1994.

TROMPENAARS, F. Resolving international conflict: culture and business strategy. London Business School, v. 7, n. 3, p. 51-88, 1996.

TYLOR, E. B. A ciência da cultura. 1871. In: Evolucionismo Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005. Apresentação e revisão Celso Castro.