Evolução do Conhecimento sobre Projetos Complexos: Uma Análise da Produção Científica Outros Idiomas

ID:
40731
Resumo:
A literatura define projeto complexo como aquele que atende a determinadas e específicas características. Outro fator que pode levar um projeto a ser considerado complexo é a forma eficaz de gerenciar os riscos existentes – atividade esta que requer do gestor do projeto ações que vão além daquelas analíticas e simples. Este trabalho objetiva estudar a evolução do conhecimento científico sobre projetos complexos no período de 2003 a 2013. Para a realização deste trabalho foi realizado um estudo através de documentação secundária, em que se definiu o período a ser estudado, selecionado as bases de dados a serem exploradas, identificados os periódicos com relevância para o tema projetos complexos, e identificados os artigos por meio do uso de palavras-chave. Os resultados sugerem que o tema projetos complexos ainda é incipiente, com publicações efetuadas predominantemente nos últimos cinco anos, em periódicos internacionais, concentradas em um pequeno grupo de autores que geraram a maior parte das citações.
Citação ABNT:
STEFFEN NETO, F.; PISCOPO, M. R. Evolução do Conhecimento sobre Projetos Complexos: Uma Análise da Produção Científica. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 3, p. 91-116, 2015.
Citação APA:
Steffen Neto, F., & Piscopo, M. R. (2015). Evolução do Conhecimento sobre Projetos Complexos: Uma Análise da Produção Científica. Revista de Gestão e Secretariado, 6(3), 91-116.
DOI:
10.7769/gesec.v6i3.434
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/40731/evolucao-do-conhecimento-sobre-projetos-complexos--uma-analise-da-producao-cientifica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Araújo, C. A. Á. (2006). Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, 12(1), 11-32.

Baccarini, D. (1996). The concept of project complexity - a review. International Journal of Project Management, 14(4), 201-204.

Bradford, S. C. (1953). Documentation. London: Crosby Lockwood; Washington, Public Affairs Press.

Cioffi, D. F. (2002). Managing project integration. Vienna, VA 22182: Management Concepts.

Cleland, D.; Ireland, L. (1999). Project management: strategic design and implementation. 3 ed. USA: MacGraw-Hill Companies, Inc.

Curlee, W.; Gordon, R. L. (2010). Complexity theory and project management. New Jersey: John Wiley & Sons Inc.

Davies, A.; Hobday, M. (2005). The business of projects: managing innovation in complex products and systems. The Edinburgh Building, Cambridge: Cambridge University Press.

Davis, J.; MacDonald, A.; White, L. (2010). Problem-structuring methods and project management: an example of stakeholder involvement using hierarchical process methodology. Journal of the Operational Research Society, 61(6), 893-904.

Drejer, A. (2001). How can we define and understand competencies and their development? Technovation, 21(3), 135-146.

Enberg, C.; Lindkvist, L.; Tell, F. (2010). Knowledge integration at the edge of technology: on teamwork and complexity in new turbine development. International Journal of Project Management, 28(8), 756-765.

Giovannini, F. (2002). A complexidade e o estudo das organizações: explorando possibilidades. Rausp-Revista de Administração, 37(3), 56-66.

Guedes, V. L. S.; Borschiver, S. (2005). Bibliometria: Uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. Anais do VI Cinform Encontro Nacional de Ciência da Informação, Salvador-BA: ICI/UFBA.

Guia Pmbok®, P. (2008). Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos. 4a ed. São Paulo: PMI - Project Management Institute.

Hass, K. B. (2009). Managing complex projects: a new model. Vienna, VA 22182: Managemente Concepts.

Hertogh, M. J. C. M.; Westerveld, E. (2010). Playing with complexity, management and organisation of large infrastructure projects. RePub, Erasmus University Rotterdam.

Kerzner, H. (2011). Gerenciamento de projetos - uma abordagem sistêmica para planejamento, programação e controle. 10a ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher Ltda.

Lima, M. L. A.; Farias, J. R. de F. (2012). A gestão integrada no gerenciamento de projetos complexos. Anais do VIII Congresso nacional de excelência em gestão, Rio de Janeiro.

Lotka, A. J. (1926). The frequency distribution of scientific productivity. Journal of the Washington Academy of Sciences, 16(12), 317-323.

Metcalfe, M.; Sastrowardoyo, S. (2013). Complex project conceptualisation and argument mapping. International Journal of Project Management, 31(8), 1129-1138.

Naveira, R. B. (1998). Caos e complexidade nas organizações. RAP-Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 32(5), 69-80.

Price, J. D. S. (1963). Litle science, big science. New York, Columbia University Press.

Pritchard, A. (1969). Statistical bibliography or bibliometrics? Journal of Documentation, 25(4), 348-349.

Rabechini Junior, R.; Carvalho, M M de C. (2003). Perfil das competências em equipes de projetos. RAE Eletrônica, 2 (1), 17.

Remington, K.; Pollack, J. (2007). Tools for complex projects. England: Gower Publishing Limited.

Rose, K. H. (2011). Complexity theory and project management. Project Management Journal, 42(5), 92.

Santos, R. N. M. dos; Kobashi, N. Y. (2009). Bibliometria, cientometria, infometria: conceitos e aplicações. Tendências da pesquisa brasileira em ciência da informação, 2 (1), 155 -172.

Sato, C. E. Y.; Dergint, D. E. A.; Hatakeyama, K. (2004). A organização baseada em projetos (OBP) como um sistema adaptativo complexo (SAC) (p.16). Anais do XXIII Simpósio de gestão da inovação tecnológica, Curitiba - PR.

Serva, M. (1992). O paradigma da complexidade e a análise organizacional. Revista de Administração de Empresas/Eaesp/FVG, 32(2), 26-35.

Shenhar, A. J.; Dvir, D. (2007). Reinventing project management: the diamond approach to successful growth and innovation. Boston, Massachusetts, USA: Harvard Business School Press.

Thamhain, H. (2013). Managing risks in complex projects. Project Management Journal, 44 (2), 20-35.

Tôrres, J. J. M. (2005). Teoria da complexidade: uma nova visão de mundo para a estratégia. Curitiba - PR: I Ebec - PUC/PR - 1o Encontro Brasileiro de Estudos da Complexidade.

Valeriano, D. L. (2005). Moderno gerenciamento de projetos (1a ed). Brasil: Prentice Hall Brasil.

Whitty, S. J.; Maylor, H. (2009). And then came complex project management revised. International Journal of Project Management, 27(3), 304–310.

Williams, T.; Klakegg, O. J.; Walker, D. H. T.; Andersen, B.; & Magnussen, O. M. (2012). Identifying and acting on early warning signs in complex projects. Project Management Journal, 43(2), 37-53.

Wood Jr, T. (1993). Caos: a criação de uma nova ciência? As aplicações e implicações da teoria do caos na administração de empresas. Revista de Administração de Empresas/Eaesp/FGV, 33(4), 94-105.

Yugue, R. T.; Maximiano, A. C. A. (2013). Entendendo e gerenciando a complexidade de projetos. Revista de Gestão e Projetos - GeP, 4(1), 01-22.

Zhai, L.; Xin, Y.; Chaosheng, C. (2009). Understanding the value of project management from a stakeholder’s perspective: case study of mega-project management. Project Management Journal, 40(1), 99-109.

Zipf, G. K. (1949). Human behavior and the principle of least effort. Cambridge, Mass: Addison-Wesley.