Percepção de Justiça Processual na Avaliação de Desempenho: Uma Análise à Luz da Incerteza e da Tolerância à Ambiguidade Outros Idiomas

ID:
41253
Resumo:
O estudo objetiva verificar a relação entre as medidas de avaliação de desempenho e a percepção de justiça processual à luz da incerteza e da tolerância à ambiguidade. Pesquisa descritiva com abordagem quantitativa foi realizada por meio de levantamento junto a 119 empregados de uma cooperativa de produção da região Sul do Brasil. Utilizou-se o questionário do estudo de Hartmann e Slapnicar (2012), composto de três medidas que influenciam na avaliação de desempenho e nas percepções de justiça (formalidade, voz, medidas de resultado). Para análise dos dados aplicou-se modelagem de equações estruturais. Os resultados mostram relação positiva entre formalidade e justiça processual, sendo maior em ambientes de alta incerteza de tarefas e de baixa tolerância à ambiguidade. A relação entre voz dos empregados e percepção de justiça processual é melhor explicada em ambientes de baixa incerteza e alta tolerância à ambiguidade. A relação das medidas de resultado com justiça processual apresenta-se maior para a amostra em ambientes de baixa incerteza e alta tolerância à ambiguidade. Conclui-se que formalidade, voz e medidas de resultado afetam a percepção de justiça processual dos empregados da cooperativa de produção pesquisada. Todavia, diferenças em relação ao estudo de Hartmann e Slapnicar (2012), bem como as diferenças entre as amostras relativas a incerteza de tarefas e a tolerância à ambiguidade instigam novas pesquisas.
Citação ABNT:
BEUREN, I. M.; KREUZBERG, F.; FRANZ, L. Percepção de Justiça Processual na Avaliação de Desempenho: Uma Análise à Luz da Incerteza e da Tolerância à Ambiguidade. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 9, n. 1, p. 3-21, 2016.
Citação APA:
Beuren, I. M., Kreuzberg, F., & Franz, L. (2016). Percepção de Justiça Processual na Avaliação de Desempenho: Uma Análise à Luz da Incerteza e da Tolerância à Ambiguidade. Advances in Scientific and Applied Accounting, 9(1), 3-21.
DOI:
http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2016090101
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/41253/percepcao-de-justica-processual-na-avaliacao-de-desempenho--uma-analise-a-luz-da-incerteza-e-da-tolerancia-a-ambiguidade/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Assmar, E. M. L.; Ferreira, M. C.; Souto, S. O. (2005). Justiça organizacional: uma revisão crítica da literatura. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(3), 443-453.

Bakhshi, A.; Kumar, K.; Rani, E. (2009). Organizational justice perceptions as predictor of job satisfaction and organization commitment. International Journal of Business and Management, 4(9), 145-154.

Campos, G. R.; Gozer, I. C. (2008). Gestão estratégica de custos nas cooperativas agropecuárias do estado do Paraná: nível de intensidade no uso das informações de custos para tomada de decisão e controle. Revista de Ciências Empresariais, 9(1/2), 155-172.

Carvalho, A. V.; Nascimento, L. P. (1997). Administração de recursos humanos. 2 ed. São Paulo: Pioneira.

Cremer, D.; Sedikides, C. (2005). Self-uncertainty and responsiveness to procedural justice. Journal of Experimental Social Psychology, 45(1), 157-173.

Diekmann, K. A.; Barsness, Z. I.; Sondak, H. (2004). Uncertainty, fairness perceptions and job satisfaction: a field study. Social Justice Research, 17(3), 237-255.

Fernandes, A.; Caetano, A. (2002). A avaliação do desempenho. In: Caetano, A.; Vala, J. (Org.). Gestão de recursos humanos: contextos, processos e técnicas. 2. ed. pp. 357-387. Lisboa: Editora RH.

Hair, J. F.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L.; Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Hartmann, F. (2000). The appropriateness of RAPM: toward the further development of theory. Accounting, Organizations and Society, 25(4/5), 451-482.

Hartmann, F. (2005). The effects of tolerance for ambiguity and uncertainty on the appropriateness of accounting performance measures. Journal of Accounting, Finance and Business Studies, 41(3), 241-264.

Hartmann, F.; Slapnicar, S. (2009). How formal performance evaluation affects trust between superior and subordinate managers. Accounting, Organizations and Society, 34(6/7), 722-737.

Hartmann, F.; Slapnicar, S. (2012). The perceived fairness of performance evaluation: the role of uncertainty. Management Accounting Research, 23(1), 17-33.

Korsgaard, A. M.; Roberson, L. (1995). Procedural justice in performance evaluation: the role of instrumental and non-instrumental voice in performance appraisal discussion. Journal of Management, 21(4), 657-669.

Lau, C. M.; Buckland, C. (2001). Budgeting-role of trust and participation: a research note. Journal of Accounting, Finance and Business Studies, 37(3), 369-388.

Lau, C. M.; Moser, A. (2008). Behavioral effects of nonfinancial performance measures: the role of procedural fairness. Behavioral Research in Accounting, 20(2), 55-71.

Lau, C. M.; Sholihin, M. (2005). Financial and nonfinancial performance measure: how do they affect job satisfaction? The British Accounting Review, 37(4), 389-413.

Leventhal, G. S. (1980). What should be done with equity theory?New approaches to the study of fairness in social relationships. In: Gergen, K. J.; Greenberg, M. S.; Willis, R. H. Social exchange: advances in theory and research. pp. 27-55. New York: Plenum.

Lind, E. A.; Van Den Bos, K. (2002). When fairness works: toward a general theory of uncertainty management. Research in Organizational Behaviour, 24(1), 181-223.

MaCdonald, A. P. (1970). Revised scale for ambiguity tolerance: reliability and validity. Psychological Reports, 26(6), 791-798.

Moers, F. (2005). Discretion and bias in performance evaluation: the impact of diversity and subjectivity. Accounting, Organizations and Society, 30(1), 67-80.

Moura, E. (2000). Gestão de recursos humanos: influências e determinantes do desempenho. Lisboa: Edições Silabo.

Pontes, B. R. (1996). Avaliação de desempenho: nova abordagem. 6. ed. São Paulo: LTR.

Santos, V. (2010). Percepção de justiça na avaliação de desempenho versus folga organizacional dos controllers: um estudo em empresas com sistemas de remuneração por recompensa. Dissertação de Mestrado, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, Brasil.

Sudin, S. (2011). Fairness of and satisfaction with performance appraisal process. Journal of Global Management, 2(1), 66-83.

Thau, S.; Bennett, R. J.; Mitchell, M. S.; Marrs, M. B. (2009). How management style moderates the relationship between abusive supervision and workplace deviance: an uncertainty management theory perspective. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 108(1), 79-92.

Thibaut, J.; Walker, L. (1975). Procedural justice: a psychological analysis. Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Van Den Bos, K.; Lind, E. A. (2002). Uncertainty management by means of fairness judgments. In: Zanna, M. P. (ed.). Advances in experimental social psychology. Vol. 34. pp. 1-60. San Diego: Academic Press.

Withey, M.; Daft, R. L.; William, H. C. (1983). Measures of Perrow’s work unit technology: an empirical assessment and a new scale. Academy of Management Journal, 26(1), 45-63.