Criação de Banheiros LGBTS: Inclusão ou Prática Discriminatória? Outros Idiomas

ID:
42145
Resumo:
O objetivo neste artigo é problematizar o papel das organizações na multiplicação de práticas discriminatórias, bem como refletir sobre o envolvimento e a reação das comunidades que representam as minorias que sofrem discriminação. A violência simbólica é uma das formas mais cruéis de segregação e discriminação, ainda mais quando mascarada por “boas intenções”. No estudo se analisou a instalação de banheiros LGBTs em uma quadra de uma escola de samba, em uma feira agropecuária e em uma escola de ensino médio. Partiu-se do conceito desenvolvido por Augé (1994), sobre os não lugares, como se tratando de espaços exclusivos e neutros, embora tal neutralidade não se verifique na dinâmica social. As conclusões sugerem que os não lugares são apenas ideais, já que nem mesmo os banheiros escapam da dinâmica simbólica envolta e, ao mesmo tempo, imbricada nas relações sociais.
Citação ABNT:
NATT, E. D. M.; SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P. Criação de Banheiros LGBTS: Inclusão ou Prática Discriminatória?. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 14, n. 1, p. 31-44, 2015.
Citação APA:
Natt, E. D. M., Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2015). Criação de Banheiros LGBTS: Inclusão ou Prática Discriminatória?. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 14(1), 31-44.
DOI:
10.21529/RECADM.2015002
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/42145/criacao-de-banheiros-lgbts--inclusao-ou-pratica-discriminatoria-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Augé, M. (1994). Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus.

Bastos, T. (2012). Unidos da Tijuca explica porque criou banheiro gay. 180 Graus. Recuperado em 04 maio 2013, de http://180graus.com/noticias/unidos-da-tijuca-explica-porque-criou-banheiro-gay-391206.html.

Bourdieu, P. (2008). A produção da crença. 3 ed. Porto Alegre: Zouk.

Bourdieu, P. (2008). Razões práticas: sobre a teoria da ação. 9 ed. Campinas: Papirus.

Bourdieu, P. (2009). A economia das trocas simbólicas. 6 ed. São Paulo: Perspectiva.

Bourdieu, P. (2009). Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense.

Bourdieu, P. (2009). O poder simbólico. 12 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Carvalho, J. M. (2005). O não lugar dos professores nos entrelugares de formação continuada. Revista Brasileira de Educação, v. 28, p. 96-108.

Corsetti, B. (2006). Análise documental no contexto da metodologia qualitativa: uma abordagem a partir da experiência de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisinos. UNIrevista, 1(1), 32-46.

Costa, J. (2012). Banheiro para gays na quadra da Unidos da Tijuca cria polêmica. Extra. Recuperado em 01 maio 2013, de http://extra.globo.com/noticias/carnaval/banheiro-para-gays-na-quadra-daunidos-da-tijuca-cria-polemica-813163.html.

Foucault, M. (2000). Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 26 ed. Petrópolis: Vozes.

G1 (2012). Diretor cria banheiro alternativo para homossexual em colégio de Londrina. Recuperado em 7 maio2013, de http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2012/02/diretor-cria-banheiro-exclusivopara-homossexual-em-colegio-de-londrina.html.

Lüdke, M.; André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Machado, A. (2012). Homossexuais recusam banheiros exclusivos em Feira Agropecuária. Terra Magazine. Recuperado em 5 maio 2013, de http://terramagazine.terra.com.br/blogdaamazonia/blog/2012/07/16/homossexuais-recusambanheiros-exclusivos-em-feira-agropecuaria/.

Marino. M. (2012). Movimento LGBT expressa descontentamento com possibilidade de banheiro gay. Elos LGBT. Recuperado em 6 maio 2013, de http://www.eloslgbt.org.br/2012/07/movimento-lgbtexpressa.html.

Mendes, F. C. (2011). Ações educativas na polícia civil: o 'não-lugar' do menor infrator. Revista de Educação, Ciência e Cultura, 16(2), 145-156.

Mendonça, A. V. (2011). Banheiro gay é inaugurado com pompa na quadra da Unidos da Tijuca. G1. Recuperado em 1 maio 2013, de http://g1.globo.com/carnaval/2011/noticia/2011/01/banheiro-gay-einaugurado-com-pompa-na-quadra-da-unidos-da-tijuca.html.

Minayo, M. C. S. (1994). Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In M. C. S. Minayo (Org.). Pesquisa social: teoria método e criatividade. 3 ed. pp. 9-28. Petrópolis: Vozes.

Pinho, M. (2012). Vereador apresenta projeto de lei para a criação de banheiros para gays em SP. Recuperado em 7 maio 2013, de http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/02/vereador-apresentaprojeto-de-lei-para-criacao-de-banheiros-para-gays-em-sp.html.

Santos, A. R. (2000). Metodologia científica: a construção do conhecimento. 3 ed. Rio de Janeiro: DP&A.

Silva, C. G.; Brasil, L. A. A. (2010). Personagem e não lugar: identidades em construção. Anais da Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação, Porto Alegre, RS, Brasil. V.

Teles, N. (2012). O não lugar do feminino: reflexões sobre a representação objectual da mulher. Anais da Conferência Internacional do IESE, Maputo, Moçambique, III.

Vieira, M. M. F. (2004). Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In M. M. F. Vieira, & D. M. Zouain (Org.). Pesquisa qualitativa em administração. p. 13-28. Rio de Janeiro: FGV.