Redes de atores na perícia contábil judicial: uma análise à luz da Teoria Ator-Rede

ID:
42973
Resumo:
Objetivo – Este estudo investigou a configuração das redes de atores humanos e não humanos que se formam no processo da perícia contábil judicial sob a perspectiva da Teoria Ator-Rede. Metodologia – A população da pesquisa de levantamento compreendeu 593 peritos contadores registrados em Associações de Peritos de Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo, e a amostra consistiu dos 102 questionários válidos. Também foram entrevistados cinco magistrados e cinco peritos de Curitiba (PR). Por meio da Modelagem de Equações Estruturais, o processo de translação indicou significância estatística, exceto nas relações entre os atores humanos contábeis, atores não humanos e problematização. Resultados – Conclui-se, com base na pesquisa, que a construção das redes no campo da perícia contábil depende de inúmeras translações entre os agentes, que impactam no desempenho das atividades e na estabilização das relações. Como indicadores de desempenho, foram apontadas a qualidade do laudo pericial e do parecer técnico e a competência dos peritos. Como fatores propulsores das relações estáveis e duradouras entre os atores da perícia, foram indicados a experiência do perito e do perito assistente e o tempo de atuação e de relacionamento com juízes. Contribuições – O estudo é relevante dadas a escassez de pesquisas envolvendo a Teoria Ator-Rede e a contabilidade, particularmente a perícia contábil, tanto em âmbito nacional como internacional. Logo, busca-se contribuir ao investigar como os atores interagem, criam e modificam as relações, por meio da percepção de contadores e juízes.
Citação ABNT:
MURRO, E. V. B.; BEUREN, I. M. Redes de atores na perícia contábil judicial: uma análise à luz da Teoria Ator-Rede. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 18, n. 62, p. 633-657, 2016.
Citação APA:
Murro, E. V. B., & Beuren, I. M. (2016). Redes de atores na perícia contábil judicial: uma análise à luz da Teoria Ator-Rede. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 18(62), 633-657.
DOI:
10.7819/rbgn.v18i62.2743
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/42973/redes-de-atores-na-pericia-contabil-judicial--uma-analise-a-luz-da-teoria-ator-rede/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albuquerque, J. P. (2012). Flexibilidade e modelagem de processos de negócio: Uma relação multidimensional. Revista de Administração de Empresas, 52(3), 313-329.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. 3 ed. Lisboa: Edições 70.

Bloomfield, B. P.; Best, A. (1992). Management consultants: Systems development, power and the translation of problems. The Sociological Review, 40(3), 533-560.

Callon, M. (1986). Some elements of a sociology of translation: Domestication of the Scallops and the Fishermen. In: J. Law (org.), Power, action and belief: A new sociology of knowledge? p. 196-223. London: Routledge & Kegan.

Callon, M. (1998). The embeddedness of economic markets in economics. The Laws of the Markets. Oxford: Blackwell Publishers.

Callon, M. (1999). Actor-network theory–the market test. The Sociological Review, 47(1), 181-195.

Callon, M.; Latour, B. (1981). Unscrewing the big leviathan: How actors macrostructure reality and how sociologists help them to do so. In: K. K. Cetina, & A. Cicourel (org.). Advances in social theory and methodology: Toward an integration of micro and macro sociologies. p. 277-303. London: Routledge & Kegan.

Carvalho, E. B.; Marques, C. (2005). Perícia contábil nas relações de trabalho em processos judiciais. Enfoque: Reflexão Contábil, 24(2), 36-52.

Christensen, M.; Skærbæk, P. (2007). Framing and overflowing of public sector accountability innovations: A comparative study of reporting practices. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 20(1), 101-132.

Churchill, G. A.; Peter, J. P. (1984). Research design effects on the reliability of rating scales: A meta-analysis. Journal of Marketing Research, 21(4), 360-375.

Czarniawska, B.; Hernes, T. (2005). Actornetwork theory and organizing. Herndon: Copenhagen Business School Press.

Dantas, B. J. P. F.; Mendonça, A. A. D. (2013). A qualidade do laudo pericial elaborado pelo perito contador na visão dos magistrados de Sergipe. Ideias e Inovação-Lato Sensu, 1(3), 39-45.

Feigenbaum, A. (2010). Concrete needs no metaphor: Globalized fences as sites of political struggle. Ephemera, 10(2), 119-133.

Ferreira, T. B.; Miranda, L. C.; Meira, J.; Santos, A. A. (2012). Qualidade do laudo pericial contábil trabalhista: Percepção dos magistrados das varas trabalhistas do Recife. Registro Contábil, 3(3), 54-70.

Gaski, J. F.; Nevin, J. R. (1985). The differential effects of exercised and unexercised power sources in a marketing channel. Journal of Marketing Research, 22(2), 130-142.

Green, K.; Hull, R.; McMeekin, A.; Walsh, V. (1999). The construction of the technoeconomic: Networks vs. paradigms. Research Policy, 28(7), 777-792.

Hair Jr, J. F.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L.; Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. 5 ed. Porto Alegre: Bookman.

Hardy, C. A.; Williams, S. P. (2008). E-government policy and practice: A theoretical and empirical exploration of public e-procurement. Government Information Quarterly, 25(2), 155-180.

Koh, A. N.; Arokiasamy, L.; Suat, C. L. (2009). A. Forensic accounting: Public acceptance towards occurrence of fraud detection. International Journal of Business and Management, 4(11), 145-149.

Latour, B. (1988). The pasteurization of France. Cambridge, Mass: Harvard University Press.

Latour, B. (1996). Aramis or the love of technology. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

Latour, B. (1999). On recalling ANT. The Sociological Review, 47(1), 15-25.

Latour, B. (2001). A esperança de pandora: Ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. São Paulo: Edusp.

Latour, B. (2005). Reassembling the social: An introduction to Actor-Network-Theory. New York: Oxford University Press.

Latour, B.; Woolgar, S. (2000). Ciência em ação: Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Unesp.

Law, J. (1992). Notes on the theory of the actor-network: Ordering, strategy, and heterogeneity. Systems Practice, 5(4), 379-393.

Law, J. (2009). Actor network theory and material semiotics. In: B. S. Turner (org.). The new Blackwell companion to social theory. 3 ed. p. 141-158. Oxford: Wiley-Blackwell.

Maia, A.; Serafim, S. (2012). Análise da Teoria Ator-Rede (TAR) e sua relação com os paradigmas de relações públicas. Contemporânea, 9(1), 122-137.

Martins, L. M. F. (2011). Uma perspectiva sociotécnica para a governança de tecnologia da informação baseada na Teoria Ator-Rede (Tese de doutorado). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Mattedi, M. A.; Grisotti, M.; Spiess, M. R.; Bennertz, R. (2009). A coperformação das ciências e da sociedade: Entrevista com Michel Callon. Política & Sociedade, 8(14), 383-408.

McFall, L. (2009). Devices and desires: How useful is the ‘new’ new economic sociology for understanding market attachment? Sociology Compass, 3(2), 267-282.

Melo, M. F. A. (2007). Seguindo as pipas com a metodologia da TAR. Revista do Departamento de Psicologia da UFF, 19(1), 169-185.

Miguel, M. A. B. (2009). O uso de atividades lúdicas no ensino da disciplina “perícia contábil”. (Dissertação de mestrado), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Montenegro, L. M.; Bulgacov, S. (2014). Reflections on actor-network theory, governance networks, and strategic outcomes. Brazilian Administration Review, 11(1), 107-124.

Moraes, A. C. (2000). Perícia judicial e extrajudicial. Brasília: Editora Qualidade.

Morais, A. C. (2005). A busca da prova pericial contábil. Brasília: A. C. Morais.

Neves Jr, I. J.; Moreira, S. A.; Ribeiro, E. B.; Silva, M. C. (2013). Specialized accounting inspection: Study on the perception of the trial judges in the labor court system about the quality and relevance of the specialized investigation job of experts. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 15(47), 300-317.

Nogueira, M. F. (2006). O processo da comunicação pericial judicial contábil: Abordagem em relação aos ruídos. (Dissertação de mestrado), Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, São Paulo, SP, Brasil.

Oberherr, L. B.; Nikolay, S. A. (2013). A importância da perícia contábil no ingresso da ação judicial: O papel do perito como assistente técnico. Revista Eletrônica do Curso de Ciências Contábeis, 1(3), 1-20.

Okoye, E. I.; Akenbor, C. O. (2009). Forensic accounting in developing economies: Problems and prospects. The University Advanced Research Journal, 1(1), 1-13.

Oliveira, A. T. (2012). A relação entre o tipo penal e a prova pericial contábil: Evidências nos laudos contábeis da perícia criminal federal sobre o crime de apropriação indébita previdenciária. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Peleias, I. R.; Ornelas, M. M. G. (2013). Conversando com o perito: Um olhar sobre o quotidiano da atividade pericial contábil no Poder Judiciário Paulista. Revista Brasileira de Contabilidade, 1(1), 89-100.

Peleias, I. R.; Ornelas, M. M. G.; Henrique, M. R.; Weffort, E. F. J. (2011). Perícia contábil: Análise das condições de ensino em cursos de Ciências Contábeis da Região Metropolitana de São Paulo. Educação em Revista, 27(3), 79-108.

Pires, M. A. A. (2007). Fundamentos da prova pericial. Aracaju: Publicações Periódicas.

Pollack, J.; Costello, K.; Sankaran, S. (2013). Applying Actor–Network Theory as a sensemaking framework for complex organizational change programs. International Journal of Project Management, 31(8), 1118-1128.

Sá, A. L. (2010). Perícia contábil. 9 ed. São Paulo: Atlas.

Santana, C. M. S. (1999). A perícia contábil e sua contribuição na sentença judicial: Um estudo exploratório. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Santos, J. L.; Schmidt, P.; Gomes, J. M. M. (2006). Fundamentos de perícia contábil. São Paulo: Editora Atlas.

Santos, V. D.; Cunha, P. R. D.; Tanquella, M.; Valentim, I. (2013). Ruídos no processo de comunicação de perícias contábeis: Um estudo na Região do Alto Vale do Itajaí – SC. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 8(3), 55-72.

Steen, J. (2010). Actor-network theory and the dilemma of the resource concept in strategic management. Scandinavian Journal of Management, 26(3), 324-331.

Tenenhaus, M.; Chatelin, Y. M.; Lauro, C. (2005). PLS path modeling. Computational Statistics & Data Analysis, 48(1), 159-205.

Wetzels, M.; Odekerken-Schroder, G.; Van Oppen, C. (2009). Using PLS path modeling for assessing hierarchical construct models: Guidelines and empirical illustration. MIS Quarterly, 33(1), 177-195.

White, R.; Bradshaw, M. (2004). Business in action: Framing and overflowing in the logistics of an Australian company. Journal of Sociology, 40(1), 5-20.

Woolgar, S.; Coopmans, C.; Neyland, D. (2009). Does STS mean business? Organization, 16(1), 5-30.

Zanna, R. D. (2007). Prática de perícia contábil. 2 ed. São Paulo: IOB Thomson.