Pesquisa Histórica em Administração: A (Re)Construção Identitária da Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte (MG) Outros Idiomas

ID:
44036
Resumo:
Recentemente, a história tem ocupado um papel importante na área da Administração, especialmente no campo dos Estudos Organizacionais. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é analisar, por meio da pesquisa histórica, a (re)construção identitária da Galeria do Ouvidor, que foi um dos primeiros centros comerciais construídos em Belo Horizonte e que, atualmente, ainda se destaca entre as principais galerias da cidade. Por meio da pesquisa documental e da análise do discurso de narrativas temáticas de atores que trabalham atualmente na Galeria do Ouvidor, o presente estudo buscou ampliar a compreensão a respeito das identidades da organização desde a sua construção. Os resultados evidenciam que a história deste espaço se divide em diversas fases comerciais e em distintas identidades. Identidades estas que estão ligadas às mercadorias comercializadas na Galeria, as quais estão vinculadas à história da cidade de Belo Horizonte. Entretanto, embora novos clientes e produtos surjam nas diferentes identidades da galeria, permanecem resquícios de fases anteriores. Desse modo, a Galeria do Ouvidor pode ser compreendida, então, como um espelho da capital mineira.
Citação ABNT:
CARRIERI, A. P.; SANTOS, J. V. P. D.; PEREIRA, V. F.; MARTINS, T. S. Pesquisa Histórica em Administração: A (Re)Construção Identitária da Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte (MG) . Revista de Ciências da Administração, v. 18, n. 46, p. 9-22, 2016.
Citação APA:
Carrieri, A. P., Santos, J. V. P. D., Pereira, V. F., & Martins, T. S. (2016). Pesquisa Histórica em Administração: A (Re)Construção Identitária da Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte (MG) . Revista de Ciências da Administração, 18(46), 9-22.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5007/2175-8077.2016v18n46p9
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/44036/pesquisa-historica-em-administracao--a--re-construcao-identitaria-da-galeria-do-ouvidor-em-belo-horizonte--mg--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBERT, S.; WHETTEN, D. A. Organizational identity. In: CUMMINGS, L. L.; STAW, B. M. (Org.). Research in organizational behavior, Greenwich: Jay Press, 1985. p. 263-295.

ASHFORTH, B.; MAEL, F. Organizational identity and strategy as a context for the individual. Strategy Management, n. 13, p. 19-64, 1996.

BARROS, A.; CARRIERI, A de P. O cotidiano e a história: construindo novos olhares na Administração. Revista de Administração de Empresas, v. 55, n. 2, p. 151-161, 2015.

BEDEIAN, A. G. The gift of professional maturity. Academy of Management Learning and Education, v. 3, n. 1, p. 92-98, 2004.

BERGER, P. L.; LUCKMAN, T. A Construção Social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

BOOTH, C.; ROWLINSON, M. Management and organizational history: prospects. Management & Organizational History, v. 1, n. 1, p. 5-30, 2006.

CARRIERI, A. de P. O Fim do “Mundo Telemig”: a transformação das significações culturais em uma empresa de telecomunicações. 2001. 326 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A.; PIMENTEL, T. D. A institucionalização da Feira Hippie de Belo Horizonte. Organizações & Sociedade, v. 15, p. 63-79, 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes do fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CHIZZOTTI, A. O cotidiano e as pesquisas em educação. In: FAZENDA, I. (Org.). Novos enfoques da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 2004.

CIAMPA, A. C. Estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Brasiliense, 2005.

CLARK, P.; ROWLINSON, M. The treatment of history in organization studies: towards an ‘historic turn’? Business History, v. 46, n. 3, p. 331-352, 2004.

CORAIOLA, D. M. Importância dos arquivos empresariais para a pesquisa histórica em Administração no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, v. 10, n. 2, p. 254269, 2012.

COSTA, A. S. M.; BARROS, D. F.; MARTINS, P. E. Perspectiva histórica em Administração: novos objetos, novos problemas, novas abordagens. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 3, p. 288-299, 2010.

CURADO, I. B. Pesquisa Historiográfica em Administração: uma proposta metodológica. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, XXV. Campinas, 2001. Anais... São Paulo: ANPAD, 2001.

DEGOB, R.; PALASSI, M. P. Os sentidos da participação dos colaboradores nos projetos e ações sociais dos Correios do Estado do Espírito Santo. Organizações & Sociedade, v. 16, p. 265-286, 2009.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FIORIN, J. L. Linguagem e ideologia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2003.

GALERIA DO OUVIDOR. Galeria Ouvidor: uma cidade dentro da nossa cidade. [2014]. Disponível em . Acesso em: 6 abr. 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOMES, A. F.; SANTANA, W. G. P. A história oral na análise organizacional: a possível e promissora conversa entre a História e a Administração. Cadernos EBAPE. BR, v. 8, n. 1, p. 1-18, 2010.

GUIABH. Galeria do Ouvidor. [2013]. Disponível em . Acesso em: 20. 2013.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

JACQUES, R. S. History, historiography and organization studies: the challenge and the potential. Management & Organizational History, v. 1, n. 1, p. 31-49, 2006.

KIESER, A. Why organization theory needs historical analyses. Organization Science, v. 5, p. 608-620, 1994.

MACHADO, H. V. A identidade e o contexto organizacional: perspectivas de análise. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, p. 51-73, 2003.

MARTINS, J. de S. A sociabilidade do homem simples. São Paulo: Hucitec, 2008.

MEIHY, J. C. S. B. Manual da história oral. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

NASCIMENTO, A. “Cidades... mundos em miniatura”: as galerias como espaço de consumo e sociabilidade. E-hum, v. 6, n. 1, p. 1-21, 2013.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, 1990.

PIERANTI, O. P. A metodologia historiográfica na pesquisa em administração: uma discussão acerca de princípios e de sua aplicabilidade no Brasil contemporâneo. Cadernos EBAPE.BR, v. 6, n. 1, p. 1-12, 2008.

PIRES, A. P. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: POUPART, Jean. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

PRATT, M. G.; FOREMAN, P. O. Classifying managerial responses to multiple organizational identities. The Academy of Management Review, v. 25, 1, p. 18-42, 2000.

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes. Galeria do Ouvidor. [2013]. Disponível em: . Acesso em: 20 out 2013.

REY, F. G. Pesquisa Qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Tomson Learning, 2005.

ROWLINSON, M. Management & organizational history: the continuing historic turn. Management & Organizational History, v. 8, n. 4, p. 327-328, 2013.

RÚSSIO, W. Texto III. In: ARANTE, Antonio Augusto. Produzindo o passado: estratégias desconstrução do patrimônio cultural. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SARAIVA, L. A.; DUARTE, A. C. O. Dimensões da identidade em duas organizações do terceiro setor. In: CARRIERI et. al. (Org.). Identidade nas Organizações. Curitiba: Juruá, 2010.

SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P.; SOARES, A. S. Territorialidade e identidade nas organizações: o caso do Mercado Central de Belo Horizonte. Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 2, p. 97-126, 2014.

SCOTT; LANE. A stakeholder approach to organizational identity. Academy of Management Review, v. 25, n. 1, p. 43-62, 2000.

SILVA, T. T. da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. p. 73-102. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOUZA, E. M.; COSTA, A. M. Usos e significados do conhecimento histórico em estudos organizacionais: uma (re)leitura do taylorismo sob a perspectiva do poder disciplinar. Cadernos EBAPE.BR, v. 11, n. 1, p. 1-15, 2013.

SOUZA, M. M. P.; CARRIERI, A. P.; FARIA, A. A. M. A projeção da identidade organizacional: um estudo da identidade de uma ferrovia privatizada. In: CARRIERI, A. P. et al. Análise do Discurso em Estudos Organizacionais. p. 249-275. Curitiba: Juruá, 2009.

SOUZA, M. M. P.; CARRIERI, A. P. Identidades, Práticas Discursivas e os Estudos Organizacionais: Uma proposta teórico-metodológica. Cadernos EBAPE.BR, v. 10, p. 40-64, 2012.

SOUZA, M. M. P. O teatro como forma de se colocar no mundo: a formação de identidades nos Grupos Galpões. 2010. 251 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

TRIVIÑOS, A. R. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VIZEU, F. Potencialidades da análise histórica nos estudos organizacionais brasileiros. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 1, p. 37-47, 2010.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.