Percepção: uma caixa preta para Marketing? Outros Idiomas

ID:
5144
Resumo:
Um dos elementos menos estudado pela literatura de marketing, mas que é de fundamental importância para a compreensão do processo de decisão de compra, é a percepção. Pensar em percepção não é somente pensar em como um consumidor enxerga as suas opções de compra, mas também entender os mecanismos envolvidos para esse sentido. O presente artigo tem como objetivo discutir a percepção humana sob a perspectiva de marketing. Trata-se de um trabalho de cunho teórico, com objetivos exploratórios, baseado na revisão da literatura relativa ao assunto em questão. Os estímulos são percebidos pelo indivíduo por meio de suas capacidades, ou seja, por cada pessoa em suas individualidades mentais e perceptivas. Ficou evidenciada a forte relação existente entre a percepção e os estímulos sensoriais. Desvendar o funcionamento da formação da percepção pode resultar na compreensão das ações dos consumidores que, atualmente, são consideradas emocionais e que fogem das previsibilidades das empresas. Estudar a percepção traz a possibilidade de entender como a informação chega ao indivíduo e se torna consciente. As limitações do trabalho dizem respeito ao fato e se tratar de um ensaio, ficando para estudos futuros o envolvimento de pesquisas empíricas compatíveis com as problemáticas que forem trabalhadas envolvendo a percepção.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, B.; TAVARES, G. R. M.; SATO, K. S. Percepção: uma caixa preta para Marketing?. Revista de Administração da UFSM, v. 3, n. 3, art. 9, p. 424-430, 2010.
Citação APA:
Oliveira, B., Tavares, G. R. M., & Sato, K. S. (2010). Percepção: uma caixa preta para Marketing?. Revista de Administração da UFSM, 3(3), 424-430.
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/5144/percepcao--uma-caixa-preta-para-marketing-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BEE, H. A criança em desenvolvimento. São Paulo: Harbra, 1986.

BLACKWELL, Roger D.; MINIARD, Paul W.; ENGEL, James F. Comportamento do consumidor. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

CARTER, R. O livro de ouro da mente. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

DUROZOI, G; ROUSSEL, A. Dicionário de filosofia. São Paulo: Papirus, 1993.

GUILHOTO, L. de F. M. A influência do país de origem na percepção do consumidor sobre a qualidade dos produtos. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 8, n. 4, p. 53-64, out./dez. 2001.

HAWKINS, D. I.; MOTHERSBAUGH, D. L.; BEST, R. J. Comportamento do consumidor: construindo a estratégia de marketing. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

HOOLEY, Graham J.; SAUNDERS, John A.; PIERCY, Nigel F. Estratégia de marketing e posicionamento competitivo. São Paulo: Pearson, 2006.

KRECH, D.; CRUTCHFIELD, R. Elementos de psicologia. São Paulo: Pioneira, 1980.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J. B. Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LERSCH, P. La estrutura de la personalidad. Barcelona: Scientia, 1966.

MACHADO, S. K.; DAMACENA, C. Percepção dos consumidores acerca do marketing relacionado a causas: uma revisão da literatura. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 3, n. 2, p. 93-101, maio/ago. 2006.

MYERS, D. G. Explorando a psicologia. Rio de Janeiro: LTC, 2003.

PAIM, I. Curso de psicolpatologia. São Paulo: EPU, 1993.

SCHIFFMAN, L. G.; KANUK, L. L. Comportamento do consumidor. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

SEARLE, J. R. Intencionalidade. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SHETH, J. N.; MITTAL, B.; NEWMAN, B. I. Comportamento do cliente: indo além do comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas, 2001.

SOLOMON, M. R. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. Porto Alegre: Bookman, 2002.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2008.