Fontes externas de tecnologia: o caso de uma indústria de cerâmica vermelha Outros Idiomas

ID:
7610
Resumo:
A competitividade é uma das grandes questões empresariais na atualidade. O ambiente econômico exige do empresário capacidade de potencializar os recursos produtivos de que dispõe. Esta pesquisa tem como objetivo estudar a etapa de identificação de fontes externas de informação tecnológica em uma indústria de cerâmica vermelha. Inicialmente foi feita uma revisão abrangente da literatura sobre estratégia, gestão e fontes tecnológicas. Adicionalmente, fez-se uma contextualização do setor cerâmico no Brasil. A seguir, foi aplicado um estudo de caso em uma indústria de cerâmica vermelha no estado do Piauí por meio de uma entrevista com um dos diretores da empresa e com a gerente de qualidade. O estudo deste caso pode ser classificado como exploratório, pois aumentou a compreensão do fenômeno estudado. A revisão da literatura indicou a existência de baixa densidade tecnológica no setor cerâmico no Brasil. O setor da indústria de cerâmica vermelha é pouco dinâmico no que diz respeito ao desenvolvimento de novos produtos. Porém, na empresa pesquisada, há uma procura em melhorar a qualidade dos produtos ofertados e em desenvolver novos processos, não somente por meio de mudanças incrementais, mas também por meio de projetos inovadores. Para obter sucesso nesta procura, a empresa sistematiza a gestão de fontes externas de informação tecnológica.
Citação ABNT:
JUSSANI, A. C.; COSTA, D. D.; VASCONCELLOS, E. P. G.; SBRAGIA, R. Fontes externas de tecnologia: o caso de uma indústria de cerâmica vermelha. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 4, n. 1, p. 3-30, 2012.
Citação APA:
Jussani, A. C., Costa, D. D., Vasconcellos, E. P. G., & Sbragia, R. (2012). Fontes externas de tecnologia: o caso de uma indústria de cerâmica vermelha. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 4(1), 3-30.
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/7610/fontes-externas-de-tecnologia---o-caso-de-uma-industria-de-ceramica-vermelha/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Anicer, Associação Nacional da Indústria da Cerâmica. (2007). Dados oficiais da Anicer. Rio de Janeiro: Anicer.

Bustamante, G. M. & Bressani, J. C. (2000). A indústria cerâmica brasileira. Cerâmica Industrial, 5 (3), 31-36.

Fapesp, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (2006). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação em São Paulo em 2004. (vol. 1, cap. 8). Coordenado por Carvalho, R. Q. São Paulo: Fapesp, 2005.

Fleury, A. C. C.; Fleury, M. T. L. (1997). Aprendizagem e inovação organizacional. As experiências de Japão, Coréia e Brasil (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Gomes, C. (2007). Gestão de fontes externas de informação tecnológica e desempenho inovador na empresa. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo: SP, Brasil.

Gomes, C. M. & Kruglianskas, I. (2005). Gestão de fontes externas de inovação: Estudo de caso em empresas brasileiras. Anais do Seminário Latino-Americano de Gestão Tecnológica, 11, Salvador, BA, Brasil.

Hamel, G. & Prahalad, C. K. (2001). Intenção estratégica. In: H. Mintzberg, O processo da estratégia (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hartman, E. A., Tower, C. B., & Sebora, T. C. (1994). Information sources and their relationship to organizational innovation in small businesses. Journal of Small Business Management, 32 (1), 37- 47.

Jussani, A. C. (2009). Internacionalização e fatores de influência na decisão sobre customização de produtos. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo: SP, Brasil.

Kruglianskas, I. (1996). Tornando a pequena e média empresa competitiva. São Paulo: Instituto de Estudos Gerenciais e Editora/ FEA/USP.

Mafra, A. T. (1999). Proposta de indicadores de desempenho para indústria de cerâmica vermelha. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: SC, Brasil.

Pintec, Pesquisa de Inovação Tecnológica. (2005). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Porter, M. E. (1980) Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Elsevier.

Porter, M. E. (1989). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus.

Sbragia, R. (2006). Inovação: como vencer esse desafio empresarial. São Paulo: Clio.

Souza, J. E. R.; Kruglianskas, I. (1994). Práticas de gestão tecnológica e competitividade no setor de autopeças. In: R. Sbragia, J. Marcovitch, & E. Vasconcellos. Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. São Paulo: USP/NPGCT/FIA/PACTo.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (1999). Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. England: Wiley.

Vasconcellos, E. (2006). Estudo de caso apresentado no curso de Pósgraduação em Administração sobre a gestão tecnológica na empresa. São Paulo: FEA/USP.

Yin, Robert K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.