Gestão internacional de pessoas: considerações a partir do ajustamento internacional de expatriados na China e Espanha Outros Idiomas

ID:
7824
Resumo:
O ajustamento internacional do expatriado é considerado fator preponderante ao desenvolvimento das atividades internacionais da empresa e é definido por Ali (2003) como o grau de conforto do trabalhador no país hospedeiro. O objetivo deste artigo foi avaliar como ocorreu o processo de ajustamento internacional de expatriados brasileiros na China e na Espanha, considerando os dois níveis de análise propostos no modelo de Black, Mendenhall e Oddou (1991): ajustamento antecipado (antes da mudança para o exterior) e ajustamento no país hospedeiro. Foi realizado um estudo exploratório de natureza qualitativa com dez expatriados brasileiros: cinco residentes na Espanha e cinco na China. Dentre as principais constatações, percebeu-se a ausência do preparo prévio à expatriação por parte da equipe de Gestão de Pessoas e verificou-se que a diferença psíquica influencia negativamente o ajustamento, mas a avidez a desafios e a mentalidade global do executivo apaziguariam esse fator.
Citação ABNT:
CARPES, A. M.; SCHERER, F. L.; LÜTZ, C. B.; BEURON, T. A.; BORGES, D. E.; SANTOS, M. B. D. Gestão internacional de pessoas: considerações a partir do ajustamento internacional de expatriados na China e Espanha. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 7, n. 1, p. 88-122, 2012.
Citação APA:
Carpes, A. M., Scherer, F. L., Lütz, C. B., Beuron, T. A., Borges, D. E., & Santos, M. B. D. (2012). Gestão internacional de pessoas: considerações a partir do ajustamento internacional de expatriados na China e Espanha. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 7(1), 88-122.
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/7824/gestao-internacional-de-pessoas--consideracoes-a-partir-do-ajustamento-internacional-de-expatriados-na-china-e-espanha/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALI, A. J.; ZEE, K. V.; SANDERS, G. Determinants of intercultural adjustment among expatriate spouses. International Journal of Intercultural Relations, v. 27, iss. 5, pp. 563-80, 2003.

BLACK, J. S.; MENDENHALL, M.; ODDOU, G. Toward a Comprehensive Model of International Adjustment: An Integration of Multiple Theoretical Perspectives. Academy of Management Review, v. 16, n. 2, pp. 291-317, apr. 1991.

CALIGIURI, P.; JOSHI, A.; LAZAROVA, M. Factors influencing the adjustment of women on global assignments. The Journal of Human Resource Management, 10:2, pp. 163-79, apr., 1999.

CALIGIURI, P. Selecting expatriates for personality characteristics: a moderating effect of personality on the relationship between host national contact and cross-cultural adjustment. Management International Review, v. 40, iss. 1, pp. 61-80, 2000a.

DE PAULA, E. R.; STAUB, I. D. A mineiridade sob o olhar dos executivos expatriados italianos. In: Anais do XXIX Encontro da ANPAD, Brasília, 2005.

DUTRA, J. S. Gestão de pessoas com base em competências. In: DUTRA, J. S. (org). Gestão por Competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Gente, 2006.

FREITAS, M. E.; DANTAS, M. O estrangeiro e o novo grupo. RAE, São Paulo, v. 51 n. 6, pp. 601-8, nov./dez. 2011.

FREITAS, M. E. How do Brazilian Executive Expatriate live abroad?.2nd LAEMOS Colloquium [CD-ROM], Rio de Janeiro, v. 8, pp. 1-18, 2008.

HOMEM, I. D; DELLAGNELLO, E.H.L. Novas formas organizacionais e os desafios para os expatriados. RAE-eletrônica, v.5, n.1, 2006.

JUST LANDED. Expatriate guide. Disponível em: http://www.justlanded.com/. Acesso em: 04 abr. 2012.

KUBO, E. K. M. Ajustamento intercultural de executivos expatriados no Brasil. Tese (Doutorado). Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2011.

LACOMBE, B.M.B.; TONELLI, M.J. O discurso e a prática: o que nos dizem os especialistas e o que nos mostram as práticas das empresas sobre os modelos de gestão de recursos humanos. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, n.2, 2001.

LACOMBE, F. J. Recursos Humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2005.

MORAN, R. T.; HARRIS, P. R.; STRIPP, W. G. Desenvolvendo Organizações Globais. São Paulo: Makron Books do Brasil, 1999.

MURITIBA, P. M.; ALBUQUERQUE, L. G. Características da gestão estratégica de pessoas para as organizações internacionais. In: ALBUQUERQUE, L. G.; LEITE, N.P.(Org.) Gestão de Pessoas: Perspectivas Estratégicas. São Paulo: Atlas, 2009.

O’ SULLIVAN, S. L.; APPELBAUM, S. H.; ABIKHZER, C. Expatriate management “Best practices” in Canadian MNC’s: a multiple case study. Career Development International, v. 7, iss. 2, pp. 79-95, 2002.

PEREIRA, M. A. F; PIMENTEL, F.; KATO, H. T. Expatriação e Estratégia Internacional: o Papel da Família como Fator de Equilíbrio na Adaptação do Expatriado. Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 4, out./dez, 2005.

SELVARAJAH, C. Expatriate Acculturation: Linking Predeparture Experience To Initial Experience. In: Anais da Small Enterprise Association of Australia and New Zealand 16th Annual Conference, Ballarat, 28, sept./oct. 2003.

SILVA, M. G. F.; ROCHA, A. M. C.; FIGUEIREDO, O. Medindo o construto da distância psíquica. E&G Economia e Gestão, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, pp. 85-106, 2007.

SOUSA, C. M. P.; BRADLEY, F. Cultural distance and psychic distance: two peas in a pod? Journal of International Marketing, v. 14, n. 1, pp. 49-70, 2006.

TANURE, B.; CYRINO, A. B.; PENIDO, E. Estratégias de internacionalização: evidências e reflexões sobre as empresas brasileiras. In: FLEURY, A.; FLEURY, M.T.L. (Org.) Internacionalização e os países emergentes. São Paulo: Atlas, 2007.

TANURE, B.; EVANS, P.; PUCIK, V. A gestão de pessoas no Brasil: virtudes e pecados capitais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

TEIXEIRA, L.A.A.; SILVA, J.T.M.; LESSA, L.C.C. Executivos brasileiros expatriados: percepções da nova função e influência da distância psíquica. Redes, v. 16, n.1, 2011.

WEEKS, K. P.; WEEKS, M.; MULLER, K. W. The adjustment of expatriate teenagers. Emerald, Personnel Review, v. 39, iss. 1, pp. 24-43, 2009.

WINKELMAN, M. Cultural Shock and Adaptation. Journal of Counseling & Development, v. 73, pp. 121-6, nov. 1994.