A Hermenêutica no Campo Organizacional: duas possibilidades interpretativistas de pesquisa Outros Idiomas

ID:
8690
Resumo:
Este trabalho tem por objetivo apresentar considerações teóricas sobre dois tipos de estratégia de pesquisa: fenomenologia e etnografia. Com base na perspectiva hermenêutica, são apresentadas proposições conceituais das duas vertentes, sendo que a primeira é tratada no contexto sociológico e a segunda é apresentada em bases antropológicas. Seus usos similares no contexto organizacional – como também suas diferenças – são evidenciados de acordo com as contribuições teóricas de autores pertencentes ao universo qualitativo da pesquisa organizacional. Destaca-se, pela apresentação dos pressupostos teóricos relatados, a adequação da proposta interpretativa para consecução de pesquisas que tomam a organização como objeto de estudo, em busca da identificação das formas de construção da realidade social resultante da análise de significados e experiências vividas por seus participantes, ressaltando-se a importância do envolvimento entre pesquisador e pesquisado. A discussão teórica a respeito das duas vertentes permitiu notar a adequação da prática de pesquisas fenomenológicas e etnográficas no campo de estudos organizacionais, manifestando-se como possibilidades metodológicas para identificar dinâmicas que se atrelam à experiência de vida, favorecendo a análise do ser humano na condição de fenômeno de interpretação.
Citação ABNT:
VIEIRA, A. M.; RIVERA, D. P. B. A Hermenêutica no Campo Organizacional: duas possibilidades interpretativistas de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 44, p. 261-273, 2012.
Citação APA:
Vieira, A. M., & Rivera, D. P. B. (2012). A Hermenêutica no Campo Organizacional: duas possibilidades interpretativistas de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 14(44), 261-273.
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/8690/a-hermeneutica-no-campo-organizacional--duas-possibilidades-interpretativistas-de-pesquisa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ATKINSON, P.; HAMMERSLEY, M. Ethnography and participant observation. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.) The sage handbook of qualitative research. California: Sage Publications, 1994. p. 249-261.

BLEICHER, J. Hermenêutica contemporânea. Rio de Janeiro: Edições 70, 1992.

BONJOUR, L. The elements of coherentism. In: BERNECKER, S.; DRETSKE, F. I. (Eds.) Knowledge: readings in contemporary epistemology. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 128- 148.

BOURDIEU, P. Science de la science et réflexivité. Paris: Raisons d'Agir Editions, 2001.

BRUNER, J. Actos de significado: para uma psicologia cultural. Lisboa: Edições 70, 1997.

CACERES, L. J. G. (Coord.) Técnicas de investigaci6n en sociedad, cultura y comunicaci6n. México: Prentice Hall, 1998.

CARDOSO, R. A aventura antropológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

CHANLAT, J. F. Ciências sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas, 2000.

CHANLAT, J. F. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1996.

CORETH, E. Questões fundamentais de hermenêutica. São Paulo: EPU/Edusp, 1973.

CRESWELL, J. W. Qualitative inquiry and research design: choosing among five traditions. London: Sage, 1998.

DEMO, P. Pesquisa e construção de conhecimento. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2001.

DILTHEYW. Introduction to the human sciences: an attempt to lay and foundation for the study of society and history. Detroit: Wayne State University Press, 1988.

ETZIONI, A. Organizações modernas. São Paulo: Pioneira, 1976.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GEERTZ, C. O saber local: novos ensaios sobre a antropologia interpretativa. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

GODOY, A. A pesquisa qualitativa e sua utilização em administração de empresas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 65-71, 1995.

GODOY, A . Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, Recife, v. 3, n. 2, p. 80- 89, 2005.

HABERMAS, J. Dialética e hermenêutica. Porto Alegre: L&PM, 1987.

HAGUETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na sociologia. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 1993.

HOLANDA, A. O resgate da fenomenologia de Husserl e a pesquisa em psicologia. 2002. 309 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas, 2002.

HOLLOWAY, I.; TODRES, L. The status of method: flexibility, consistency and coherence. Qualitative Research, v. 3, n. 3, p. 345- 58, 2003.

HUSSERL, E. Ideas relativas a una fenomenología pura y una filosofía fenomenol6gica. México: Fonda de Cultura Económica, 1949.

IDHE, D. Experimental phenomenology: an introduction. Albany: State University of New York, 1986.

LAPLANTINE, F. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2000.

LINSTEAD, S. The social anthropology of management. British Journal of Management, Oxford, v. 8, p. 85-98, 1997.

MALINOWSKI, B. Uma teoria científica da cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

MASCARENHAS, A. O. Etnografia e cultura organizacional: uma contribuição da antropologia à administração de empresas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 88-94, 2002.

MERLEAU-PONTY, M. Phenomenology of perception. London: Routledge, 2002.

MINAYO, M. C. S. Hermenêutica-dialética como caminho do pensamento social próprio. In: DESLANDES, S. F. (Orgs.). Caminhos do pensamento: epistemologia e método. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2002. p. 83-107.

MOREIRA, D. A. O método fenomenologico de pesquisa. São Paulo: Pioneira Thompson, 2002.

MOREIRA, D. A. Pesquisa em administração: origens, usos e variantes do método fenomenológico. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 5-19, 2004.

MORGAN, G.; SMIRCICH, L. The case for qualitative research. The Academy of Management Review, v. 5, n. 4, p. 491-500, 1980.

MOUSTAKAS, C. Phenomenological research methods. Thousand Oaks. California: Sage Publications, 1994.

NAPOLI, R. B. A hermenêutica de W. Dilthey. In: REIS, R. R.; ROCHA, R. P. Filosofia hermenêutica. Santa Maria: UFSM, 2000. p. 93-113.

RICOEUR, P. O conflito das interpretações: ensaios de hermenêutica. Rio de Janeiro: Imago, 1978.

ROCHA-PINTO, S. R.; FREITAS, A. S.; MAISONNAVE, P. R. Métodos interpretativistas em Administração: as implicações para o (a) pesquisador (a). In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (ANPAD), 32., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

SANTOS, B. S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SCHÜTZ, A. Fenomenología dei mundo social: introducción a la sociología comprensiva. Buenos Aires: Paidós, 1972.

SCHWARTZMAN, H. B. Ethnography in organizations. Newbury Park, California: Sage Publications, 1993.

SIEBENEICHLER, F. B. Fenomenologia e hermenêutica. In: CAPALBO, C. Fenomenologia e hermenêutica. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural, 1983. p. 9-34.

TEDLOCK, B. Ethnography and ethnography representation. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). The sage handbook of qualitative research. 2nd ed. California: Sage Publications, 2000. p. 455-486.

VAN MANEN, M. Researching lived experience: human science for an action sensitive pedagogy. London: The State of NewYork, 1990.

WEBER, M. Economía y sociedad. México: Fonda de Cultura Económica, 1984.