Valores organizacionais: percepção e legitimação Outros Idiomas

ID:
8976
Resumo:
Este artigo teve por objetivo identificar a percepção dos funcionários sobre os valores organizacionais reais de uma empresa de serviços de manutenção e se eles estavam alinhados com os valores ideais. As proposições de Schein (1985), Tamayo (1998) e Deal e Kennedy (2000) serviram de referencial teórico. Adotou-se
abordagem quantitativa, conduzida por meio de estudo de caso. Para obtenção dos dados, adaptou-se o questionário de Tamayo e Gondim (1996). O  tratamento dos dados ocorreu por meio de análise fatorial, procurando-se evidenciar a possível distância entre os valores proclamados pela empresa (ideais) e os percebidos pelos participantes da organização (reais). Os resultados revelaram a existência de valores com pouca intensidade, além da baixa capacidade de transmissão e acentuado desalinhamento entre os valores percebidos como reais e os ideais.
Citação ABNT:
SIQUEIRA, D. M.; VIEIRA, A. M. Valores organizacionais: percepção e legitimação. Revista Gestão & Tecnologia, v. 12, n. 2, p. 168-191, 2012.
Citação APA:
Siqueira, D. M., & Vieira, A. M. (2012). Valores organizacionais: percepção e legitimação. Revista Gestão & Tecnologia, 12(2), 168-191.
Link Permanente:
http://spell.org.br/documentos/ver/8976/valores-organizacionais--percepcao-e-legitimacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amos, E.; & Weathington, B. L. (2008). An analysis of the relation between employee organization value congruence and employee attitudes. The Journal of Psychology, 142(6), 615-631.

Boyatzis, R. E.; & Skelly, F. R. (1995). The impact of changing values on organizational life. The latest update. New Jersey: Prentice Hall.

Chatman, J. A. (1991). Matching people and organizations: Selection and socialization in a public accounting firm. Administrative Science Quarterly, 36 (2).

Deal, T. E.; & Kennedy, A. (2000). Corporate Cultures: the rites and rituals of corporate life. USA: Basic Books.

Feather, N. T. (1995). Values, valences and choices: the influence of values on the perceived attractiveness and choice of alternatives. Journal of Personality and Social Psychology, 68(6), 1135-1151.

Fisher, R. M. (2002). Mudança e transformação organizacional. In: Fleury, M. T. L. (org.). As pessoas na organização. São Paulo: Gente.

Hassan, A. (2007). Human resource development and organizational values. Journal of European Industrial Training, 31(6), 435-448.

Ianni, O. (2004). A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Meglino, M. B.; Ravlin, C.; & Adkins, C. (1989). A work values approach to corporate cultures: a field test of the values congruence process and its relationship to individual outcomes. Journal of Applied Psychology, 74 (3).

Mottaz, C. J. (1988). Determinants of organizational commitment. Human Relations, v. 41, 467-482.

Nelson, R. E. (2011). Adversity, organizational culture and executive turnover in a brazilian manufacturer. Organization Studies, 32 (3).

Quenneville, N.; Bentein, K.; & Simard, G. (2010). From organizational values to mobilization of human resources. Canadian Journal of Administrative Sciences, 27(2), 122-135.

Quinn, R. E. (1988). Beyond rational management. San Francisco: Jossey-Bass.

Raupp, F. M.; & Beuren, I. M. (2003). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: Longaray, A. A.; & Beuren, I. M. (org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Schein, E. H. (1985). Organizational culture and leadership. San Francisco: JosseyBass Publishers.

Schwartz, S. (2005). Valores humanos básicos: seu contexto e estrutura intercultural. In: Tamayo, A.; & Porto, J. B. Valores e comportamento nas organizações. Rio de Janeiro: Vozes.

Schwartz, S.; & Ros, M. (1995). Values in the west: A theoretical and empirical challenge to the individualism-collectivism cultural dimension. World Psychology, 1(2), 91-122.

Tamayo, A. (1998). Valores organizacionais: sua relação com satisfação no trabalho, cidadania organizacional e comprometimento afetivo. Revista de Administração, v. 33, 56-63.

Tamayo, A.; Andrade, J. E. B.; & Codo, W. (1997). Trabalho, organizações e cultura. São Paulo: Capital Gráfica.

Tamayo, A.; & Gondim, M. G. C. (1996). Escala de valores organizacionais. Revista de Administração, São Paulo, 31(2), 62-72.

Tanure, B.; Evans, P.; & Pucik, V. (2007). A gestão de pessoas no Brasil: virtudes e pecados capitais. Rio de Janeiro: Campus.

Triandis, H. C. (1994). Cross-cultural industrial and organizational psychology. In: Triandis, H. C.; Dunnette, M. D.; & Hough, L. M. (orgs.), Handbook of industrial & organizational psychology. California: Consulting Psychology Press.

Van Vianen, A. E. M. (2000). Person-organization fit: The match between newcomers and recruiters’ preferences of organizational cultures. Personnel Journal, 48 (1).

Yin, R. K. (2006). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.